Salva-vidas voltam para a sede do agrupamento

0

Reformas na sede do agrupamento estão quase finalizadas
Duas semanas após o prazo estimado para a conclusão da reforma, a sede do Agrupamento Marítimo do Corpo de Bombeiros, na Orla de Atalaia, está prestes a ser entregue novamente aos salva-vidas. Eles, que no início de setembro procuraram a imprensa para reclamar de uma série de problemas estruturais no prédio, estão instalados provisoriamente num antigo Posto de Apoio ao Turista, na proximidade dos arcos.

De acordo com o sargento Moisés Nascimento, as condições no prédio provisório não são das melhores. “A situação aqui só não é pior porque estamos temporariamente”, diz o sargento sobre o prédio que tem servido como ponto de apoio para dez salva-vidas diariamente.

Antigo Ponto de Apoio ao Turista serve de posto provisório para os salva-vidas
Segundo ele, falta água e luz no pequeno posto, que conta apenas com um banheiro e uma sala. “Para tomarmos banho, levamos uma mangueira que fica do lado de fora para dentro do posto”, conta. “Estamos muito felizes em voltar para a sede do Agrupamento Marítimo, só pelo fato de que vamos sair daqui”, declara o sargento Moisés.

De acordo com o subtenente Barbosa, a partir do próximo sábado, 17, o prédio reformado já vai poder abrigar novamente os salva-vidas. “Toda a parte hidráulica já foi feita, assim como a parte elétrica. Só resta mesmo a pintura, que já está sendo finalizada”, diz o subtenente. “Antes a situação daqui era degradante”, completa.

“Eles têm que estar atentos ao que fazem de errado”

Comandante Nailson Santos (Foto: Arquivo Infonet)
O comandante geral do Corpo de Bombeiros, Nailson Santos, afirma que a chuva atrasou um pouco a entrega da obra, inicialmente prevista para o fim do mês passado. Segundo ele, foram gastos apenas R$ 1.000 na compra de materiais para a reforma, prova de que o local não precisava mesmo de grandes melhorias. O comandante disse, também, que a mão de obra foi composta pelos bombeiros do quadro de manutenção da corporação.

“O problema lá na sede era mais de arrumação e limpeza. Eu, particularmente, achava que não era necessário interditar aquele prédio. Os salva-vidas, no entanto, resolveram se mudar para o ponto de apoio ao turista sem minha autorização. Eu não quis polemizar, e acatei a decisão deles”, conta o comandante.

Nailson diz que a sede do agrupamento não é um quartel, apenas um ponto de apoio para os bombeiros. “O local já está novamente habitável, apesar de não achar que aquele ponto sirva para isso”, declara.

O comandante afirma que toda a estrutura do Corpo de Bombeiros está sendo recuperada, e que, inevitavelmente, as benfeitorias chegariam ao Agrupamento Marítimo. “Eu tomo conta de toda a corporação, e não fiquei sabendo das necessidades desse grupo de salva-vidas simplesmente porque não me procuraram. Mas eles não podem só pensar no lado deles; têm que estar atentos também ao que eles fazem de errado, como quando estacionam seus carros particulares em cima do calçadão da Orla”, finaliza comandante Nailson.

Por Helmo Goes e Carla Sousa

Comentários