Sergipe é o 2.º estado que menos produz lixo urbano

0

A cada dia os brasileiros acumulam e produzem resíduos em suas residências. Independentemente de classe social os resíduos sólidos urbanos são cada vez mais intensivos e o aumento do poder aquisitivo da população, sempre consumista, resulta numa produção cada vez maior de resíduos por residência.

A Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (ABRELPE) divulgou dados de 2009 a respeito da produção de lixo gerada pelos brasileiros e constatou que a produção média diária de lixo é de 1,15kg por pessoa, um aumento de 6,6% em relação aos dados de 2008.

Apesar de o Sudeste ter originado 53% das 57 milhões de toneladas de lixo produzidas no país, com cada habitante produzindo na média de 1,2kg de resíduos sólidos por dia, é o morador do Nordeste que se destaca pela grande produção de lixo no país, com 1,25kg de resíduos sólidos/dia, ultrapassando até a média nacional.

Dentre os problemas, o Nordeste se destaca pela  destinação irregular, o pior dentre regiões do país. Nele 67% dos resíduos, que corresponde a 24.104 toneladas/dia, são levados para aterros controlados ou para lixões. No sudeste, a coleta seletiva é mais eficaz, com um quantitativo de 78,7% de presença nos municípios.

Sergipe produz cerca de 840 gramas/dia de lixo por habitante, se posicionando como o 2.º estado do nordeste que apresenta menor quantidade de lixo, ficando atrás apenas do estado de Alagoas, onde a população produz 836 gramas/dia. O Ceará é o estado em que mais se gera, com 981gramas/dia, por habitante. A destinação dos resíduos sólidos urbanos de Sergipe é de 43,5% para aterros sanitários, 27,6% para aterro controlado e 28,9% para lixões.

Tratando desse tema a Federação das Indústrias do Estado de Sergipe apoia iniciativas que visem o controle e a mitigação dos transtornos causados pelos resíduos dispostos de maneira inadequada. O incentivo a coleta seletiva é um ótimo passo para condução dos resíduos gerados nas residências, pois além de contribuir com o meio ambiente, gera emprego e renda a partir de cooperativas que poderão utilizar o que seria lixo para outros fins. Nesse sentido o projeto Bolsa de Resíduos vem incentivando o empresariado sergipano a fechar negócios a partir dos resíduos gerados pela indústria. Nele, o que pode ser resíduo para uma indústria, torna-se ser matéria-prima para outra. Um espaço onde se pode anunciar oferta ou interesse de algum tipo de resíduo necessário para reutilização com atualização em todo o país. Através de acesso gratuito ao site o empresário poderá se cadastrar, e assim, contribuir com o meio ambiente de maneira rentável.

Fonte: FIES 

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais