Significado da Páscoa varia para as religiões

0

Fonte: sxc.hu
Depois de 40 dias voltados à reflexão, católicos de todo mundo estão prontos para a Semana Santa. No período da Quaresma, os religiosos mais fervorosos optam pelo jejum e pela oração intensa para perdão dos pecados. Entretanto, a comemoração da Semana Santa não é semelhante em todas as religiões. Evangélicos, espíritas, umbandistas, adeptos do candomblé, wiccanos e espiritualistas possuem sua forma própria de recordar o sacrifício, morte e ressurreição de Cristo na cruz.

Pela tradição católica, a Quaresma é o período mais importante do Cristianismo e, portanto deve ser vivido com fé, através da penitência e da conversão verdadeira, segundo o padre Jerônimo Peixoto, pároco da Catedral Metropolitana de Aracaju. “A Semana Santa é uma oportunidade dos católicos se aproximarem mais de Deus”, ressalta. Sendo assim, o bom católico deve começar sua preparação já na Quarta-Feira de Cinzas após o Carnaval, quando a Quaresma é iniciada. Depois disso, ele deve permanecer os 40 dias da Quaresma participando das missas e trabalhos da igreja.

Padre Jerônimo: “oportunidade dos católicos se aproximarem de Deus”
Com a chegada da Semana Santa, os católicos não comem carne na Sexta-Feira Santa, como ato penitencial e como forma de recordar a crucificação de Cristo na cruz. A maioria opta por se alimentar com peixe. No Sábado de Aleluia, um dia antes da Páscoa, a missa é realizada sem a celebração da Eucaristia, como também ocorre na sexta. Chegado o domingo de Páscoa, os católicos celebram a ressurreição de Cristo.

Evangélicos

Para os cristãos protestantes, a comemoração não requer tanta preparação como para os católicos. Eles também realizam cultos em memória do sacrifício de Jesus. “Entretanto, existe um diferencial, pois recordamos a morte e ressurreição de Cristo, mas com a esperança de seu retorno”, explica o pastor Odailson Fonseca.  Pela teologia evangélica, Jesus Cristo prometeu voltar ao mundo para buscar seus seguidores e isso pode ocorrer a qualquer momento. E essa tem sido a tônica dos ensinamentos durante esta semana.

Pastor Ivan:”objetivo é alcançar o coração das pessoas”
A Igreja Adventista do 7º Dia de Aracaju está realizando cultos especiais em comemoração ao período desde o último sábado, 4. A programação, transmitida para várias partes do mundo e para 180 cidades brasileiras, através de uma emissora de TV, está sendo exibida em 5 mil igrejas adventistas, via satélite. “O nosso objetivo é alcançar o maior número de pessoas através dos ensinamentos bíblicos”, esclarece Ivan Saraiva, pastor responsável por pregar durante os dias do evento.

Além disso, a Igreja do Evangelho Quadrangular realiza na sexta-feira, 10, mais uma edição do Sermão do Monte, evento que acontece todos os anos no Parque da Sementeira. Encenação da Paixão e Morte de Cristo e shows com as cantoras Nívea Soares e Shirley Carvalhaes são algumas das atrações do evento.

Espíritas

“Temos Jesus como modelo e guia, mas não comemoramos a Páscoa”, explica o presidente da Federação Espírita de Sergipe, Júlio Cesar. Segundo ele, “para os espíritas, a comemoração de datas como o Natal e a Páscoa devem ocorrer diariamente e não em épocas específicas”.

Angélica: “celebramos a Oxalá”
Candomblé e Umbanda

Sendo religiões de origem africana, na essência, o Candomblé e a Umbanda não comemoram a Semana Santa. “Mas em decorrência da interferência cristã nessas duas religiões, nós passamos a respeitar alguns pontos”, informa a dirigente espiritual da Casa de Caridade Navegantes de Oxalá, Angélica Valadão.

Segundo ela, muitos terreiros e centros deixam de funcionar durante a Semana Santa e reabrem no Sábado de Aleluia, quando realizam cerimônias espirituais, como forma de celebrar a Jesus Cristo, que na Umbanda e no Candomblé é o orixá Oxalá.

Wicca

Neuma: “realizamos rituais de comunhão”
Até mesmo os wiccanos realizam rituais no período da Semana Santa. Entretanto, esta não é uma realidade para todos. “Os wiccanos mais ortodoxos não realizam qualquer celebração relacionada à Páscoa”, explica a espiritualista Neuma Nogueira.

Ela, que segue uma linha mais contemporânea, esclarece que alguns rituais de celebração voltados para a comunhão, agradecimento e comunicação com entidades são realizados, mas eles seguem um calendário diferenciado. “Festejamos o Ano Novo Celta, também chamado de Noite dos Antepassados, no dia 30 de abril, depois de uma longa preparação que se inicia com um mês de antecedência”, informa Neuma Nogueira.

Por Valter Lima

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais