Sinditêxtil pede providências ao Ministério do Trabalho

0

Sinditêxtil e outras entidades participam de encontro (Foto: Arquivo Infonet)
Nesta quinta-feira, 16, a partir das 10h, os representantes sindicais do Sindicato dos Trabalhadores da Indústria Têxtil de Sergipe (Sinditêxtil), juntamente com dirigentes da Central Única dos Trabalhadores de Sergipe (CUT/SE), do Sindicato da Indústria da Construção Civil de Sergipe (Sinduscon/SE) e da Federação Estadual dos Trabalhadores da Indústria, irão realizar uma importante reunião na Delegacia Regional do Trabalho em Sergipe (DRT/SE).

O objetivo do encontro é solicitar providências do Ministério do Trabalho contra os ataques da Força Sindical.

De acordo com o vice-presidente da CUT/SE, Cristiano Cabral, a Força Sindical está quebrando a unicidade da categoria. “Esse central sindical atuando de forma questionável, abrindo vários sindicatos, sendo que, ao publicar o edital de convocação para a filiação do sindicato, uma mesma pessoa assina o documento para diversos sindicatos”, afirmou Cabral.

Segundo o secretário de finanças do Sinditêxtil e secretário de políticas sociais da CUT/SE, Dilson Gama, a situação é revoltante. “A Força Sindical está atuando sem princípios trabalhistas, unicamente pensando em aumentar o número de filiados à central. O mais preocupante é que toda essa ação está recebendo o consentimento do Ministério do Trabalho em Brasília”, informou Gama.

Ainda segundo Dilson Gama, a mobilização da categoria para realizar esta reunião com a DRT/SE, está partindo do princípio da não fragmentação da luta trabalhista. “Quem perde com esse tipo de atuação da Força Sindical são os próprios trabalhadores, pois se a força dos trabalhadores for fragmentada, sua luta perderá força. Nós queremos fazer com que o Ministério do Trabalho tome consciência das manobras que estão acontecendo, e esperamos que o Governo Federal não permita que esse órgão tão importante para os trabalhadores não fique nas mãos de pessoas que não tem interesse em lutar pelo direitos dos trabalhadores”, finalizou Gama.

Fonte: CUT/SE

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais