Sintese diz que Governo não deverá cumprir acordo com os professores

0

O andamento da negociações relativas a pauta de reivindicação dos professores acordada com o Governo do Estado em maio deste ano foram debatidas na manhã de hoje, 14, num evento organizado pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação Básica da Rede Oficial do Estado de Sergipe (Sintese). Entre os pontos discutidos, o Programa de Inclusão Digital dos Profissionais do Magistério Público Estadual (Proid), progressão vertical, interiorização e a gestão democrática.

Segundo a direção do Sintese, até o momento, não existe uma chance das pautas serem atendidas, ainda este ano, pelo Governo do Estado. O Sindicato informa que o Proid só deverá ter um retorno no próximo ano; a progressão vertical, apesar de ter sido aprovada pela Assembléia Legislativa, há uma possibilidade, segundo a Secretaria de Estado da Educação, de não pagar ainda em 2007, apesar que o documento assinado pelo Executivo estadual, era para ser pago até dezembro. “A situação é que há uma possibilidade real de que esses pontos não sejam cumpridos pelo Governo”, diz o diretor de comunicação sindical do Sintese, Roberto Silva.

De acordo com Roberto Silva, outros pontos do acordo, como a interiorização (uma gratificação para pagar as passagens dos professores que trabalham no interior) só deverá sair em 2008. Quanto a gestão democrática, o diretor do Sindicato revelou que há uma discussão, mas não está definido como será a participação do Sintese na discussão do projeto de lei que deverá ser enviado em dezembro para Assembléia Legislativa, mas até o momento não houve nenhuma discussão.

“O documento que o Governo assinou se comprometendo a cumprir a pauta este ano – a maior parte em junho, só a gestão que seria em dezembro –, provavelmente não se cumpra nada”, avisou Roberto Silva. Após o encontro de hoje, os professores decidiram pela realização de um ato no final deste ano para mostrar à sociedade que o Governo do Estado propagou garantindo o cumprimento da pauta dos professores em 2007, mas que isso de fato ainda não aconteceu.

Comentários