Suspeito de matar ex faz ligação e fala com delegada

0

(Foto: Cedida pela Polícia Civil ao Portal Infonet)

Na tarde desta terça-feira, 12, a delegada do município de Maruim, Ana Paula Moreira, falou a equipe do Portal Infonet sobre o crime que vitimou Eliene da Silva Gonçalves, de 29 anos. De acordo com a delegada o principal suspeito é o ex-companheiro da vítima identificado como José Nilton dos Santos, de 34 anos. O homem é conhecido também como ‘Galego’.

A delegada já conseguiu ouvir os depoimentos de duas testemunhas oculares, além do pai do suspeito e da mãe da vítima. Ana Paula Moreira diz que os depoimentos apontam que ‘Galego’ apresentava um comportamento agressivo durante o relacionamento do casal que durou nove anos. Cansada do relacionamento desgastado, a mulher deixou a residência onde morava com ‘Galego’ e alugou uma casa na rua onde a mãe morava.

A mãe da vítima explicou durante o depoimento que a filha sentia muito medo do ex-marido e que para preservar a vida tomou a decisão de dormir todas as noites na sua casa. A delegada ressalta que a vítima tinha relatado a mãe que na segunda-feira [dia da sua morte] iria procurar a delegacia para prestar queixa das ameaças. “Ela também chegou a dizer a ele [ o ex] que iria prestar queixa. Nesses nove anos de relacionamento ela apanhava, mas nunca tinha prestado Boletim de Ocorrência com receio de ser largada por ele”, disse a delegada.

Ana Paula Moreira enfatiza que o homem tinha arma de fogo e o fato era de conhecimento da vítima. A delegada acredita que o ex planejou o crime. “No dia do crime existem várias ligações para o celular dela. Ele [o ex] chegou a rua onde a mãe dela morava e começou a fazer ameaças. Na tentativa de parar com a discursão no meio da rua, a mãe da vítima pediu para que eles entrassem dentro da casa. Logo após ele entrar na casa foi ouvido os disparos. Inclusive a vítima tem uma perfuração na mão, o que mostra que ela ainda tentou se defender”, conta a delegada acrescentando que a vítima chegou ser socorrida para o hospital, mas veio a óbito em seguida.

“Nós fomos até a casa do ex-companheiro e chegando lá foram encontradas várias cápsulas e na propriedade marcas de tiros deflagrados, o que demostra que ele treinou para atirar na vítima”, destaca.

Ligação

Após o crime, a delegada ficou com o telefone celular da vítima e na tarde de ontem,11, o suspeito ligou para o aparelho. “Quando ele ligou para o aparelho celular da vítima, eu atendi e me identifiquei como delegada. Falei que ela tinha morrido. Ele estava extremamente calmo. Então, pedi para que ele se entregasse. Ele falou que não iria se entregar e desligou a ligação”, detalha.

Quem souber informações do paradeiro do suspeito pode entrar em contato com a polícia por meio do disque denúncia 181.

Por Kátia Susanna

Comentários