Taxista que estava desaparecido apresentou um surto

0
O taxista estava desaparecido desde o dia 1º de janeiro (Foto: Álbum de família/divulgação)

Um surto teria sido a motivação do sumiço do taxista Laerson Pereira, 51 anos, que desapareceu no último dia de 2013. O taxista que trabalhava como defensor foi localizado com vida na noite da última sexta-feira, 3, no Estado de São Paulo. O carro de placa IAM-6181, conduzido por Laércio, foi encontrado em bom estado de conservação e sem marcas de violência, abandonado em local próximo à entrada da cidade Feira de Santana, na Bahia.

Durante coletiva à imprensa realizada na manhã desta segunda-feira, 6, no Complexo de Polícia Especializada da capital (Cope), o delegado responsável pelo caso, André Baronto, descartou a possibilidade de um sequestro. Ele informou ainda que a vítima sofreu uma crise psicológica no momento do sumiço.

“Não teve crime, não teve sequestro, ele não tinha intenção de cometer nenhum delito. Foi apenas um abalo emocional que ele está passando e ele decidiu fazer essa fuga e retornar”, disse o delegado.

O delegado, André Baronto (Foto: Portal Infonet)

Segundo informações da polícia, após deixar o veículo em um local seguro da cidade de Feira de Santana, o taxista Laerson Pereira seguiu para a rodoviária da cidade onde pegou um ônibus e seguiu para a sua cidade natal, São Paulo.

No momento do seu desaparecimento, o celular do taxista estava descarregado e em sua residência na capital sergipana, fator que dificultou a localização imediata do taxista.

"Após o seu desaparecimento, começamos a colher as provas desde o início, ouvir pessoas que tiveram o último contato com ele, os últimos locais por onde ele passou e nós conseguimos as imagens, e então tivemos a certeza até o momento que ele estava bem", disse o delegado.

O taxista entrou em contato por meio de telefone com os familiares na noite da última sexta-feira, 3. A partir daí, parentes da vítima que residem em São Paulo acolheram o taxista e providenciaram o seu retorno para Sergipe.

Ainda de acordo com André Baronto, essa foi a primeira vez que o taxista passou por problemas psicológicos. “Ele nunca passou por isso, foi à primeira vez. Ele estava muito deprimido. Ele já está em Aracaju, na casa de familiares e o depoimento dele foi colhido hoje pela manhã,".

O táxi localizado em território baiano foi entregue ao proprietário do veículo. A famíla do taxista irá encaminhar o taxista para fazer um tratamento psicológico.

Por Leonardo Dias e Kátia Susanna

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais