Visita do Presidente Lula gera manifestação no TTB

0

Ocupantes do DIA pedem ajuda ao governo
Com a chegada do Presidente Luís Inácio Lula da Silva a cidade de Aracaju, muitos foram os protestos em frente ao Teatro Tobias Barreto, espaço no qual estaria reunido para inauguração da nova plataforma de petróleo no Estado.

Dentre os protestantes, pessoas que ocuparam um terreno no Distrito Industrial de Aracaju (DIA) até o último domingo, 2, reivindicavam soluções do governo para moradia da população menos favorecida do Estado. “A gente só quer um lugar decente para morar. Na hora de pedir voto, todo mundo vem falar com os pobres, mas depois esquece”, disse a dona-de-casa M.S., que pediu para não ser identificada com medo de represália.

Durante três meses, várias famílias ocuparam o terreno do DIA, mas no último dia 2, foram obrigadas a deixar os barracos por determinação judicial. “A polícia chegou aqui às 6h da manhã dizendo que daria apenas 20 minutos para que retirássemos os pertences das nossas casas, porque iriam invadir e tirar tudo da gente á força. Muita criança ficou chorando e todo mundo estava desesperado. A gente estava num lugar que ninguém estava morando, não podia sair assim não”, conta Fábio Soares, um dos ocupantes.

Com a determinação judicial, todos que ocupavam o terreno no DIA foram para um galpão próximo na intenção de permanecerem por mais algum tempo abrigados, já que não têm moradia. No entanto, o dono do galpão determinou que até a próxima segunda-feira, 10, os ocupantes deveriam se retirar do local. “Estamos sem lugar para ficar. Estamos aqui reunidos para que o Governo possa nos oferecer um espaço. Tanto terreno por aí sem ser usado há anos e, agora, quando a gente está lá é que o dono vem aparecer’, completa Fábio.

Segundo informações dos protestantes, a manifestação em frente ao TTB só se encerra quando o Presidente ou o Governador Marcelo Déda resolverem essa situação. “Só sairemos daqui com uma resposta do governo. Se não for hoje, iremos ao Palácio pelo tempo que for necessário”, disse Ana Santos, também protestante.

Comentários