“A esperança é a flor que não morre no sertão”

0

E os manos da periferia marcaram presença no lançamento do CD da Ação Crítica, que juntamente com as bandas Mensagem Negra e Bronka e CIA fizeram da noite um espaço da união e conscientização, mostrando o valorda cultura HIP-HOP. Para abrir a noite, aparavorou o Mensagem Negra, com Hot Black, Bray e Michel, que no seu 9º ano de vida e à frente da Família Ativista, faz jus ao movimento hip-hop. Muito do Mensagem Negra é isso: união, força e paz acima de tudo. É por esse caminho que suas letras o leva. E pra mostrar porque “Rua da Cultura Especial”, veio o Ação Crítica, lançando o seu CD “A esperança é a flor que não morre no sertão”. A banda surgiu há 5 anos, na união de estudantes da zona norte que curtiam o som, assumindo a função de levar a mensagem que choca, que mexe, que faz os manos refletirem sobre a forma como os abnegados são tratados pelo sistema. Além de Xandão e Nego Dhido, tivemos a presença feminina de Nielle e Negona, que mostraram a força da mulher na conceito de conscientização. Essa é a forma de expressão de um trabalho aberto e comprometido com a realidade. Por fim, entrou em ação a Bronka e CIA, a pioneira do hip-hop no Estado de Sergipe, com 13 anos nas costas. Pregando a paz e a justiça social, Preto, Smorf, e Fofi estão pra lançar seu Primeiro CD, o que foi anunciado com exclusividade à Assessoria de Imprensa da Rua da Cultura. E essa foi mais uma das noites que encheram o Mercado Antônio Franco, onde a cultura Hip-Hop pôde mostrar que com competência, força de vontade e consciência, tudo é possível. Basta ter fé. “Eu defino a Rua da Cultura como o espaço onde as cousas realmente acontecem, pois é aqui o espaço que se fomentam vários tipos de culturas; não só a hip-hop, mas todas as formas possíveis de uma coisa que não se leva como característica principal de um povo: a história.” HOT BLACK, MENSAGEM NEGRA Na próxima segunda-feira, dia 7, farão da noite mais bonita as bandas Alapada, Roche #2 e o cantor Alex Santana, num dia de muita solidariedade, na Entrega e Arrecadação de alimentos para o GACC, AACASE e AMO. Claro que a Rua da Cultura não podia deixar de ser parceira de uma atitude tão engrandecedora quanto essa. Por Débora Andrade

Comentários