“Caixa Cênica” prepara novo espetáculo

0

Diane Veloso, atriz e fundadora do grupo “Caixa Cênica”
Dia 19 de dezembro o grupo teatral “Caixa Cênica” estará realizando uma audição para a seleção de uma atriz e dois atores que participarão do novo espetáculo do grupo “O Abajus Lilás”, de Plínio Marcos.

Nessa segunda montagem do “Caixa Cênica” – a primeira foi o espetáculo “Respire e Conte até 10” -, o grupo mantem-se dentro de seus objetivos que, segundo a atriz Diane Veloso, vão além do “decorar o texto e subir no palco”, passando por um trabalho de pesquisa e laboratório, além de muito estudo.

O grupo que surgiu há mais ou menos cinco anos e hoje é composto pelo ator Fábio Rodrigues “Babu” e pelas atrizes Giuliana Oliveira e Diane Velozo, além do diretor teatral carioca Sidiney Cruz, membro de honra do grupo e o responsável pela direção de “O Abajur Lilás”.

A pesar do pequeno o número o “Caixa Cênica” trabalha em plena sintonia. “Quando montamos o grupo sabíamos exatamente o que queríamos”, comenta Diane. Contudo o “caixa Cênica” está aberto a novos integrantes, desde que esses também compartilhem dos mesmo objetivos do grupo.

Ensaio da primeira montagem de “O Abajur Lilás” – 1975
“O Abajur Lilás” – Escrita na década de 70, a peça “O Abajur Lilás” não foge às características da obra de Plínio Marcos, que também é autor de “Navalha na Carne” e “Dois Perdidos numa Noite Suja”. Nesta o autor se propôs a alardear no palco o universo dos excluídos. E com muita honestidade, fúria e paixão o fez.

As personagens ‘plinianas’ movimentam-se e digladiam-se num microuniverso abafado e pestilento sem elo aparente com o contexto social. Abajur Lilás é exemplar: três prostitutas, um cafetão e um leão-de-chácara, dentro de um pardieiro, engalfinham-se numa disputa antropofágica. Resultado disso são nacos humanos espalhados no palco.

Para mais informações acesse www.infonet.com.br/caixacenica/abajurl.htm, ou através dos telefones (0xx79) 9962-0065 ou (0xx79) 222-6756, falar com Diane Veloso

Comentários