Cliente reclama de enganação em filmes 3D

0

Salas que exibem em 3D são adaptadas para a tecnologia. (Foto: Arquivo Infonet)

Professor sente-se prejudicado pela quantidade de efeitos (Foto: Arquivo Pessoal/Anderson Sant' Anna).

A realidade da imagem em três dimensões. Muitas pessoas sonham com essa possibilidade, que apesar de não ser real, pode ser reproduzida em algumas situações, como por exemplo, em filmes. Essa tecnologia não é recente, nos Estados Unidos em 1952 já havia testes em filmes, mas sem a quantidade de efeitos se comparados com o que é criado atualmente.

O fenômeno conhecido como estereoscopia é o responsável pela sensação de visualizar a imagem em 3D. O feito é simples, natural e consiste em intercalar a projeção de duas imagens idênticas com uma pequena modificação no ponto de observação delas.

Levando em consideração esses fatos, o técnico em química, professor de física e matemática Anderson Sant' Anna sentiu-se prejudicado ao assistir o último filme do Homem Aranha em 3D. “Fui assistir o Homem Aranha e juntando todas as cenas não dá 10 minutos de efeito 3D. Ainda por cima, o preço é 20% a mais pela tecnologia que não corresponde a 10% do produto”, explicou.

Movido por esse pensamento, ele resolveu acionar o Ministério Público Federal para protocolar uma ação contra a rede de cinemas Cinemark em Aracaju. O objetivo principal é que seja informada aos consumidores a porcentagem de efeitos em 3D presente nos filmes anunciados. Segundo Anderson Sant' Anna a medida é para que “sejam postos em prática os artigos 6º, IV e 37, previsto no Código de Defesa do Consumidor  que tratam da publicidade enganosa”. Não estou querendo dinheiro, apenas que prevaleça a lei, explicou.

Ele informa ainda que para exibir na tecnologia 3D é necessário quatro etapas: captura da imagem, edição, projeção e equipamento para visualizar. "Tanto a imagem, edição e projeção precisam ser feitas em 3D. O óculos é apenas a parte final, em um filme que inicialmente não foi filmado em 3D o usuário já perde 25% da qualidade", explica.

Ainda segundo o professor Anderson o site do Cinemark informa que em Aracaju existem apenas cinco salas com tecnologia 3D, mas que não informa quais são essas salas “não sabemos quais são as salas que realmente tem 3D, hoje o cinema coloca várias sessões em diversas salas diferentes. Não dá para saber se realmente estamos na sala com a tecnologia”, argumentou.

A Equipe do Portal Infonet entrou em contato com a rede de cinema Cinemark que informou que ainda não foram notificados pelo Ministério Público e informou que só irá se pronunciar quando receber a notificação.

Por Allana Andrade

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais