Exposição 1000 mulheres pela paz será aberta na Semear

0
Exposição será aberta no dia 29 de agosto na Sociedade Semear (Foto: Divulgação)

Será no dia 29 de agosto, a partir das 19h, na Galeria Jenner Augusto (Sociedade Semear), a abertura da exposição '1000 Mulheres pela paz ao redor do mundo', com a apresentação de imagens de mulheres indicadas ao Prêmio Nobel da Paz 2005 que em 150 países, representavam as lutas contra a violência e a discriminação, contra a opressão e a miséria, em inúmeros espaços e frentes. No Brasil foram selecionadas 52 mulheres que terão suas histórias contadas na publicação Brasileiras Guerreiras da Paz, cujo relançamento acontecerá também no dia 29.

Além disso, acontecerá na mesma noite, o painel temático “Mulheres e Homens pela Paz e contra a Violência Doméstica” sobre a importância de se dar visibilidade ao trabalho das mulheres e os novos desafios de trabalhar a questão da violência doméstica reunindo mulheres e homens. O painel contará com a presença de autoridades e lideranças locais, além de mulheres da paz da região.

A exposição já passou por Brasília, Santo André, Foz do Iguaçu, Rio de Janeiro, Recife, Porto Alegre e Macapá. Depois de Aracaju, a iniciativa segue para Cuiabá.

O evento é uma realização da Associação Mulheres pela Paz, que tem à frente Clara Charf (viúva do guerrilheiro Carlos Marighella) e dirigida por Vera Vieira e conta com o patrocínio da Petrobras, com o apoio da Associação Mulheres pela Paz ao Redor do Mundo (Suíça), EED (Alemanha), Fundação Avina, Instituto Avon, Vital Voices, NNEDV, e Secretaria de Políticas para Mulheres do Governo Federal. A imprescindível parceria local é do Governo do Estado de Sergipe, Sociedade Semear, Revida, Omin e Care.

ASSOCIAÇÃO

A Associação Mulheres pela Paz é uma organização da sociedade civil, sem fins lucrativos, que objetiva fortalecer e divulgar a cultura da paz, por meio do desenvolvimento da igualdade de gênero, da cidadania e dos direitos humanos. Sua missão é pôr em rede ações de mulheres que acreditam que o exercício da paz se dá no cotidiano. Como princípio fundamental, a Associação Mulheres pela Paz não discrimina nenhuma pessoa por motivos de gênero, raça, classe social, idade, religião, opção sexual, preferência político-partidária.

Fonte: Sociedade Semear

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais