Grupo do RJ elogia o II Festival Sergipano de Teatro

0
Atores elogiam receptividade do público (Foto: Ascom/Secult)

Uma comédia marcada por romance e grande interatividade com o público deu continuidade aos espetáculos do II Festival Sergipano de Teatro (FEST), na noite de terça-feira, 20. No palco do novo Teatro Atheneu, a Cia. Falácia, do Rio de Janeiro, levou ao público a emocionante montagem “Amor Confesso”.

Com o teatro lotado e um espetáculo que narra as dúvidas de um jovem casal apaixonado através dos contos de amor de Arthur Azevedo, os atores cariocas Cláudia Ventura e Alexandre Dantas, surpreenderam o público e se emocionaram pela grande receptividade encontrada em Sergipe.

“O público é um presente e é sempre muito especial, principalmente quando recebemos um teatro lotado, principalmente em uma cidade que não é a nossa. Foi um espetáculo muito bacana, com um carinho muito grande do público e principalmente, a atenção e o cuidado com a equipe do teatro, que foi nota mil”, observou a atriz Cláudia Ventura.

Em seu discurso de encerramento, o casal de atores elogiou a iniciativa do Festival e destacou a importância da sua existência no cenário teatral do país. “A democratização ao acesso à cultura é muito importante. Poder proporcionar coisas de qualidade e a de experimentar arte aos cidadão é muito bom”, frisou Cláudia. “Para nós artistas também é maravilhoso, sair da nossa cidade e do nosso público e conhecer outras pessoas, outros grupos, participar de debates, enfim, isso para nós é fundamental. É uma renovação muito bacana”, completou o ator Alexandre Dantas.

Questionados se no Rio de Janeiro existe algum tipo de movimento teatral do gênero, os atores explicaram que por muito tempo houve um festival que agitava a cena cultural na cidade, porém, ele nunca teve acesso gratuito. “Durante alguns anos tivemos o Festival Rio Cena Contemporânea. Ele não tinha acesso gratuito, mas levou muita gente de vanguarda da arte, mas agora agente não tem nenhum movimento acontecendo na cidade, o que é uma grande ironia, pois o Rio é um lugar que é referencia para tanta gente. Então Sergipe está mais uma vez de parabéns por esta grande iniciativa”, finalizou a atriz.

Sobre o espetáculo

A narrativa “Amor Confesso” retrata a história dos atores Claudia Ventura e Alexandre Dantas, um casal que está prestes a casar, e resolve montar uma peça com os contos de amor de Arthur Azevedo para celebrar a união. Porém, as histórias bem humoradas do autor os surpreendem ao apresentarem tramas cheias de traição, desilusões amorosas e sem o esperado final feliz, o que leva o casal a se perguntar se vale mesmo à pena casar.

Sempre acompanhando de canções que ao mesmo tempo em que emocionam, descontrai o público, a montagem está há três meses na estrada e já passou por diversos palcos do país. Para o público, o espetáculo foi uma grande surpresa e que valeu a pena acompanhar. “Foi a primeira vez que vim ao festival e amei o espetáculo. Não tenho muita oportunidade de vir ao teatro, mas com esses espetáculos de graça facilita muito. Isso é importante, pois podemos conhecer o trabalho que é feito aqui, além de nos ajudar enquanto estudantes”, afirmou a estudante Alexia de Jesus, que foi com toda a turma da escola ver o espetáculo.

A professora de dança e bailarina Nauã Veira, também acompanhou o espetáculo até o final e gostou muito do que viu. “O espetáculo é muito divertido e gostoso de ver”, disse. Para a ela, o Festival é muito importante para a cultura sergipana, pois aprimorara o trabalho que é construído no Estado. “Isso só tem a acrescentar aos artistas e ao público sergipano. É muito bom que os grupos de fora também tenham espaço, pois traça um intercâmbio muito bom, com uma troca da arte que é feita aqui com a de outros estados. E no final, isso mostra a cara do artista para o público, o que é o mais importante”, ressaltou.

Próximas atividades

As atividades do II FEST seguem a todo o vapor até o dia 29. Nesta quarta-feira, por exemplo, a  partir das 10h tem debate com os atores Cláudia Ventura e Alexandre Dantas no Teatro Lourival Baptista. Já às 15h no Centro de Criatividade tem Mesa Redonda sobre Pontos de Cultura e o uso da arte, com o ator e presidente do SATED-SE, Ivo Adnil. A partir das 17h os espetáculos tomam conta do FEST. Primeiro na Praça Fausto Cardoso, com a peça Almanaque do grupo aracajuana Stultifera Navis, e às 21h no Teatro Tobias Barreto tem Os Corumbas, do grupo Raízes Nordestinas de Poço Redondo.

Fonte: Ascom Secult

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais