Música medieval sobrevive em Sergipe

0

Grupo de dançaTerpichore (Foto: Raone Beotrão)
Com 14 anos de existência, o Conjunto de Música Antiga Renantique, tem difundido um amplo repertório da Idade Média e Renascença não só em Aracaju, mas em diversas cidades do interior sergipano. Criado em 1996 por integrantes do Grupo Flauta Saltarello e pela soprano Adélia Vieira, apenas no ano de 2010 o grupo passou a realizar dança Renacentista.

O trabalho desenvolvido pelo conjunto tem como premissa a busca da originalidade, desde a sua instrumentação até os detalhes sonoros e ambientais de sua execução. “Através das nossas pesquisas de mais de oito anos, tivemos como base um documento Orshesogarphy Arbeau de 1589, onde realizamos as danças com dois casais” explica Emanuel Vasconcelo, integrante do grupo.

Ainda de acordo com Emanuel, os casais fazem parte do grupo de dança Terpsichore, que significa ‘A Musa da Dança’. “Esse grupo é o único no país e é o primeiro a realizar danças em solos sergipanos. Não existem registros na história de que outros grupos tenham dançado aqui”, esclarece.

Em meios aos grupos de forró e a invasão do axé baiano, o grupo enfrenta a difícil tarefa de mostrar aos sergipanos o valor da música medieval. Para Emanuel Vasconcelos, o que fortalece a existência do Renantique é o prazer pela música. “Temos outras profissões e não sobrevivemos das apresentações do grupo. A gente também não segue a linha de alguns artistas sergipanos, que correm atrás do governo para pagar as viagens para participar de festivais fora do país, por exemplo,” ressalta o integrante do grupo.

Grupo no Pácio Olímpio Campo(Foto: Cristal – Lineu)
Emanuel também pontua que não se sente discriminado por não participar freqüentemente de projetos do governo. “A gente entende que existem grupos que conseguem sempre participar dos eventos. Entendemos também que não existe orçamento para todos e muitos também não conseguem patrocínio e assim vamos seguindo, realizando nosso trabalho com uma média de 20 apresentações por ano”, pontua.

Emanuel ainda ressaltou que desde o ano passado recebe o apoio do Instituto BANESE. “Conseguimos gravar o nosso DVD no palácio Museu Olímpio Campos e tivemos o patrocínio da Secretaria de Estado da Casa Civil além do Banese”, pontua.

Emanuel ainda esclarece que das músicas aos instrumentos o grupo procura mostrar ao público um trabalho embasado em pesquisas, se aproximando ao máximo do trabalho original. “O Renantique tem uma estrutura Broken Consort renascentista, em que são combinados vários instrumentos da Idade Média e da Renascença, unida as vozes – soprano, tenor, contra tenor, alto, baixo – barítono-, para juntas executarem o melhor da musicalidade medieval” explica Emmanuel.

Renantique gravou DVD no Palácio Olímpio Campos(Foto: Cristal – Lineu)
O integrante do grupo faz questão de pontuar que como o Renantique traz uma música distante, no tempo e no espaço, todas as peças são explicadas. “ Não basta apenas mostrar a música pela música. A gente explica cada peça, a narrativa, a história. Buscamos passar o caráter didático. É a mesma coisa que uma ópera, pois quando você assiste uma ópera, existe o livreto que é o mais importante do trabalho”, compara Emanuel.

O grupo é formado por seis componentes. Neste ano de 2011 a primeira apresentação do grupo aconteceu no encontro Cultural de Laranjeiras. “ Apresentamos em Laranjeiras e a nossa próxima apresentação está marcada para o dia 26 de janeiro, no Auditório da Unit, campus Propriá, em comemoração ao I UNIT Cultura, que celebra festejos de Bom Jesus dos Navegantes, a partir das 21 horas,”  revela.

A música

De acordo com o dicionário Grove de música, o Movimento Música Antiga foi bastante incrementado, não apenas pelo tranbalho de eruditos, mas também por construtores modernos de instrumentos de época, por publicaçãoes e pela indrustria finográfica

Apresentação no Teatro Tobias Barreto (Foto: Raone Beotrão)
Os integrantes do Conjunto Renantique vêm se dedicando e se especializando em Música Antiga com professores do Brasil e de outros países, através dos cursos e festivais internacionais como oficinas de música de Curitiba, do Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga de Juiz de Fora e do Encontro de Música Antiga de Olinda, em Recife.

O Grupo também vem difundindo um amplo repertório da Idade Média e Renascença da Europa Ocidental, com: Músicas das Cruzadas; dos Troubadouros, Trouvères e Minnesingeres; cantigas de Santa Maria e Martin Codax, do manuscrito de Carmina Burana; Danças medievais e renascentistas.

Para quem deseja conhecer um pouco do trabalho do Renantique, basta acessar os vídeos do grupo através do endereço: http://www.youtube.com/user/RENANTIQUE96

Por Alcione Martins

Comentários