Olhos nos olhos – por Gustavo Aragão

0

 

 

Fito os olhos assombrados da poça lamacenta com a qual me deparo, ao subir a ladeira dos Tempos, e nela reflete o mundo disforme e estilhaçado que transborda minha alma e salta-me dos olhos, no exato momento em que a luz de fibras da lua óptica assombra as trevas que circundam a poça lodosa em que meu ser se encontra e cabe.

 

Por Gustavo Aragão Cardoso

 

* Todos os direitos estão reservados ao autor perante a Lei de Direitos Autorais.

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais