Santo Antônio Fujão, o padroeiro de Itabaiana

0

15 de agosto de 1195. Nasce em Lisboa Fernando de Bulhões, mais devido a sua vida religiosa passaria a se chamar Antônio, nome escolhido pelo próprio Fernando devido a sua devoção a Santo Antão. Segundo ele, mudar de nome é mudar de vida. Sendo de família nobre, largou tudo e passou todo o resto de seus dias pregando a palavra de Deus e ajudando aos mais necessitados, por isso é considerado o padroeiro dos pobres. Morreu em Pádua no dia 13 de junho de 1231 e seu corpo está enterrado na Basílica de Pádua, sendo que sua língua ainda hoje permanecesse intacta. 

Devido a alguns milagres que lhe foram atribuídos, como, por exemplo, o de ter o dom de conversar com o menino Jesus (por isso que na sua imagem aparece ele segurando um menino, que é o menino Jesus ) foi canonizado pelo papa Gregório IX no dia 30 de maio de 1232, um ano após a sua morte. Esse processo de canonização é considerado o mais rápido da Igreja católica, mais para o povo de Itabaiana ele não é apenas um Santo, é também o seu padroeiro, o defensor da sua cidade.

Conta a lenda que na fundação da cidade serrana foi colocada uma imagem do Santo em uma pequena capela chamada de Igreja Velha (a primeira de Itabaiana), no povoado Agrovila, mas todas as noites a imagem sumia. Então os devotos passaram a procurar e, como sempre o encontravam debaixo de um pé de quixabeira, moradores da época diziam ter visto as pegadas do Santo marcadas na areia. Por isso passou a ser chamado de Santo Antônio Fujão. Para que essas fugas não acontecessem mais, os padres resolveram construir uma Igreja ao lado do pé de quixabeira onde hoje é a Matriz de Santo Antônio e Almas de Itabaiana.

Todos os anos no dia 31 de maio são iniciadas as Trezenas de Santo Antônio, que vão até 13 de Junho, dia em que se comemora a data do falecimento do Santo. São exatamente treze noites de procissão e missa (por isso o nome Trezenas), sendo que cada dia uma categoria é representada: estudantes, comerciantes, motoqueiros, carroceiros, entre outras, sendo um dos dias mais esperados o dia 12, que é a Trezena dos Caminhoneiros, esta já tradicional na cultura popular do povo itabaianense.

Imagem do santo

Nesse dia, centenas de caminhões de todo o Brasil saem em carreata pela cidade. O buzinaço começa pela madrugada acordando a população para que possa prestigiar o evento. Esses caminhões se reúnem mais duas vezes: ao meio dia e às 18 horas, sendo esta a mais esperada. É nesse momento que a imagem do Santo vem em cima de um caminhão todo enfeitado, “puxando” a fila em direção a Igreja para que ocorra a missa de benção das chaves desses caminhões. Depois, na praça de eventos acontecem shows com as melhores bandas do Brasil.

Por fim o dia mais esperado, 13 de junho, quando ocorre a maior procissão de Sergipe, reunindo milhares de pessoas nas principais ruas da cidade. Personalidades ilustres do nosso Estado acompanham a procissão, aproveitando esse momento de fé para se misturar ao povo simples e prestigiar o padroeiro. O percurso conta ainda com fiéis que pagam promessas de pés descalços ou vestidos a caráter, estilo franciscano, e moças em busca de namorados, afinal Santo Antônio é considerado o Santo casamenteiro (dizem que ele era um excelente conciliador de casais). É um dia lindo, de muita emoção. A Trezena de Santo Antônio em Itabaiana é uma das festas religiosas de maior repercussão no interior sergipano.    

*Harley Augusto Oliveira Santos é graduando em História pela Universidade Federal de Sergipe.

Comentários