Temporada Digital da Orsse traz o Jazz e a música tradicional

0
O maestro Guilherme Mannis assumirá a regência da peça barroca e a interpretação pianística das demais peças. (Foto: Ascom/Orsse)

Nesta próxima sexta-feira, dia 30 de julho, às 19h, a Orquestra Sinfônica de Sergipe apresentará mais um episódio inédito de sua Temporada Digital de Concertos, por meio de transmissão pela Aperipê TV (canal 6.1 da TV Aberta) e redes sociais (Youtube e Facebook, @orquestra.sergipe). O tema do concerto “Baroque and Blue: diálogos entre o barroco, classicismo, modernismo e o Jazz”, pressupõe uma interlocução entre as grandes peças de repertório tradicionalmente executadas pelo grupo e o Jazz, com a interpretação de obras de Vivaldi, Dukas, Mozart, e também da “Suíte nº1 para Flauta e Trio de Jazz”, de Claude Bolling. A Orsse é uma realização do Governo de Sergipe, por meio da Fundação de Cultura e Arte Aperipê. Para a gravação, foram utilizados os Protocolos de Segurança Sanitária desenvolvidos pelo Fórum Brasileiro de Ópera, Dança e Música de Concerto.

Em um primeiro momento, o episódio abordará a trompa, um dos principais instrumentos de uma orquestra sinfônica. Transitando-se por variados períodos da música, o bloco inicial do programa apresentará uma peça de concerto barroca, composta pelo italiano Antonio Vivaldi, além de peças camerísticas dos períodos romântico e moderno. No segundo bloco, será abordada a peça jazzística concebida pelo francês Claude Bolling, com destaque para a versatilidade dos músicos da Orsse, com solos especiais de Sílvio Jackel na flauta, Guilherme Mannis ao piano, James Bertisch na bateria e Reginaldo Pereira no Contrabaixo.

Sobre o concerto, o maestro Guilherme Mannis, que assumirá a regência da peça barroca e a interpretação pianística das demais peças, comenta: “Trata-se de um programa muito prazeroso, gravado diretamente do palco do TTB, mostrando a versatilidade e a capacidade expressiva de nossos profissionais. A performance da peça jazzística de Bolling traz ao nosso palco a informalidade, o deleite das improvisações, a alegria de fazer música. E esta alegria contagiará as demais obras interpretadas, fornecendo ao episódio um universo musical bastante peculiar.”

Sobre o compositor principal abordado, Claude Bolling (1930-2020) foi um importante pianista, compositor e arranjador francês. Jazzista tradicional, foi grande amigo de ícones como Oscar Peterson, Lionel Hampton, Duke Ellington, e também de grandes músicos do cenário da música erudita, dentre eles o maior flautista de todos os tempos: Jean-Pierre Rampal (1922-2000). A gravação inicial da Suíte que será interpretada em nosso programa, realizada em parceria com Rampal, resultou no disco “Suíte for Flute and Jazz Piano”, obtendo a comercialização de mais de 1 milhão de cópias. Foi o disco mais vendido de todos os tempos da história da flauta.

Repertório e intérpretes

Antonio VIVALDI
Concerto para 2 Trompas, Cordas e Contínuo, RV538, em Fá maior
I. Allegro
II. Larghetto
III. Allegro
Ronald Zaira e Juan Manuel Quinteros, solistas
Guilherme Mannis, regente

Paul DUKAS (1865-1935)
Villanelle, para Trompa e Piano
Ronald Zaira, trompa e Guilherme Mannis, piano

Wolfgang Amadeus MOZART (1756-1791)
Divertimento nº2, para Trio de Trompa (Transcrição: Robert C. Walshe)
Allegro
Menuetto
Rondo
Ronald Zaira, Denisson Santos, Juan Manuel Quinteros, trompas

Claude BOLLING (1930-2020)
Suíte nº1 para Flauta e Trio de Jazz
Baroque and Blue
Sentimentale
Irlandaise
Veloce
Sílvio Jackel, flauta; Guilherme Mannis, piano; Reginaldo Pereira, contrabaixo, James Bertisch, bateria

Fonte: Ascom/Funcap
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais