Tobias Barreto comemora 10 anos precisando de reforma

0

O Teatro Tobias Barreto foi inaugurado em 2002 (Fotos: Arquivo Portal Infonet)

Prestes a completar 10 anos, que serão comemorados no próximo dia 17 de março, o Teatro Tobias Barreto (TTB) é hoje  uma das principais casas artísticas do Nordeste. O espaço, que já acolheu importantes apresentações de artistas locais, nacionais e internacionais, tem reformas na estrutura programadas para o segundo semestre desse ano e se prepara para uma nova temporada de espetáculos. A construção do Teatro encerrou um século de lutas do poder público sergipano na tentativa de construção de um espaço que tivesse capacidade de receber grande público. Hoje o TTB é a terceira maior casa artística do Nordeste, com capacidade para acolher até 1.328 pessoas.

E toda essa grandiosidade é fruto de um anseio secular, é o que avalia o pesquisador Luiz Antonio Barreto. Para ele desde o início do século XX a população aracajuana já aguardava por uma casa de espetáculos de grande porte. “A sociedade sergipana alimentou por muitas décadas a ideia de ter um teatro para atender as necessidades artísticas e que acolhesse companhias nacionais. O primeiro teatro de Aracaju foi o Carlos Gomes, de 1903 e em 1912 o nome dele foi alterado para Teatro Rio Branco, já como cineteatro. Ele recebia um público de até 400 pessoas”, explica o historiador.

Luiz Antônio Barreto considera o Teatro Tobias Barreto como um sonho de Sergipe

Mas as expectativas não ficaram encerradas no Cineteatro Rio Branco. Na década de 50 do século passado, durante o governo de Arnaldo Rollemberg Garcez, foi construído um auditório anexo ao Colégio Atheneu Sergipense, mas ainda assim o sonho dos governantes sergipanos só foi concretizado no ano de 2002, quando da inauguração do Teatro Tobias Barreto. “Não poderia haver homenagem mais apropriada. Tobias Barreto foi um dos maiores críticos de teatro do país, à sua época”, conceitua o pesquisador.

Realização

O TTB foi idealizado durante um dos governos de João Alves Filho. A ideia era que com a finalização do teatro, Sergipe tivesse um espaço que pudesse fazer frente aos maiores teatros da região Nordeste. Na opinião de artistas sergipanos, esse papel foi cumprido com maestria. “É inquestionável o quão importante se faz o TTB para as artes e a cultura sergipanas, não apenas por ser o nosso maior espaço cênico, mas pela qualidade de suas acomodações tanto para os artistas quanto para o público em geral”, avalia o cantor e compositor Rubens Lisboa.

Essa visão também é compartilhada pela atual diretora do TTB, Valéria Abreu. Para ela, o teatro preenche uma demanda por espaço físico que a arte e a cultura sergipana necessitavam de longa data. Mas para que o teatro ficasse pronto, foi necessário um grande período de obras. Luiz Antônio Barreto explica que o atraso nas obras se deu em partes pela mudança no governo. “Quando foi feita a licitação das obras, a construtora que ganhou o processo comprou todo o equipamento necessário para adiantar a construção, mas João Alves Filho saiu do governo e Albano Franco, que o sucedeu, preferiu acompanhar todas as etapas com mais cautela”, pontua.

Apesar da demora de dois governos estaduais para que a obra fosse concluída, a sociedade sergipana recebeu no ano de 2002 o Teatro Tobias Barreto completamente finalizado. Construído numa área com mais de seis mil metros quadrados, o TTB possui hoje um total de 11 camarins, seis salas de tradução simultânea, três salas de imprensa, uma sala de ensaio de orquestra, uma sala de ensaio de ballet e um palco com 770 metros quadrados. “O Teatro possibilitou a vinda de grandes espetáculos à Aracaju, devido as especificidades do seu espaço cênico. Estamos falando do palco e seus equipamentos. Excelente boca de cena e tratamento acústico. A caixa cênica possibilita a montagem de grandes cenários. Isso fez com que o Tobias Barreto entrasse no circuito dos grandes espetáculos”, avalia Lindolfo Amaral, que foi diretor da casa de espetáculos até o ano de 2007.

Maiores participações

Artistas de diversos estilos já passaram pelo palco do TTB

Ao longo dos dez anos foram inúmeras participações que marcaram o palco do teatro e o público que pôde conferir as apresentações artísticas. Shows de grandes nomes da música popular brasileira, peças teatrais e apresentações de companhias internacionais de dança estão entre os momentos mais lembrados por aqueles que participam do cotidiano do TTB.

“Já tive oportunidade de assistir a grandes shows musicais e peças de teatro no TTB. Dentre aqueles me vêm à memória as apresentações de Elza Soares, Elba Ramalho, Leila Pinheiro e Maria Bethânia, além de um belo show da nossa querida Amorosa. E quanto a estas, um grande momento sem dúvida foi a peça recentemente encenada por Marco Nanini e as do grupo Imbuaça”, lembra Rubens Lisboa.

A diversidade em pontuar os momentos mais marcantes das apresentações que passaram pelo TTB também podem ser identificadas na opinião do ex diretor Lindolfo Amaral. Ele ressalta que a passagem do Ballet de Moscou, da Cia. De Dança Débora Colker e do grupo Armazém de teatro foram momentos inesquecíveis. Já para Valéria Abreu, que atualmente dirige o teatro, uma das provas da importância do TTB se dá pela quantidade de grandes espetáculos internacionais como o Aluminun Show de Israel, a Cia Italiana de Teatro – Accademia Della Follia, God Save The Guin, grupo argentino cover, espetáculo internacional Tango…viaje al sentimiento da Argentina, entre outros.

Gestão do teatro

Apesar de todas as glórias vividas pelo TTB, existem dificuldades em gerir a casa de espetáculos. A principal delas é a manutenção do espaço físico. Após dez anos, o teatro passa por um momento em que algumas reformas se fazem necessárias. O teatro deve passar por melhorias dos equipamentos técnicos e dos espaços físicos, além de adequações para receber pessoas com necessidades especiais.

O público costuma lotar o teatro

Nesse aspecto, o ex diretor Lindolfo Amaral acredita que a falta de recursos é o maior empecilho para o desenvolvimento dos trabalhos administrativos. “A grande dificuldade que o teatro enfrenta é a falta de recursos para a sua manutenção. Tal falto ocorre em todos os espaços públicos e não é uma questão específica das casas de espetáculos”.

Próximos passos

Além da reforma, está previsto para o ano de 2012, ano da comemoração dos dez anos do TTB, uma série de apresentações especiais. Entre os espetáculos, já foram confirmadas as passagens do Circo de Moscou no Gelo, Companhia de Dança da Ucrânia e a Escola de Teatro Bolshoi no Brasil e a peça Xanadú. Haverá também apresentações humorísticas com Jessier Quirino, Marcelo Adnet, Renato Piaba e Os Melhores do Mundo. Grandes nomes da música passam pelo palco do Tobias Barreto em 2012, entre eles Marisa Monte e Beto Guedes e a temporada da Orquestra Sinfônica de Sergipe, que acontecerá entre os meses de março e dezembro e o Festival de Teatro que começa dia 14 de março e dura cinco dias.

Por Caio Guimarães e Kátia Susanna

Comentários