Alta de preço de alimentos faz inflação dobrar em agosto

0

A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) foi de 0,47% em agosto, segundo levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O valor é quase dez vezes mais que o resultado da inflação de agosto do ano passado, que ficou em 0,05%. E foi o dobro do resultado no mês anterior, 0,24% em julho.

A inflação foi puxada pelos alimentos, que tiveram alta de 1,39% em agosto. O preço dos alimentos foi responsável por 62% do índice mensal. Desde 2003, o aumento não tinha alcançado patamares tão elevado.

Entre os produtos não-alimentícios, houve alta de 0,22% em agosto e, com isto, a contribuição ficou em 0,18 ponto percentual. O telefone fixo, cujas contas de agosto aumentaram 1,14% em média, foi o que item que mais pesou na inflação. Foi influenciado, principalmente, pelo reajuste ocorrido no valor da assinatura e nas tarifas de fixo para móvel em vigor a partir de 21 de julho.

Os itens que também se destacaram por exercerem pressão sobre o IPCA do mês foram: conserto de automóvel (1,41%), empregados domésticos (0,69%), plano de saúde (0,56%), colégios (0,49%) e ônibus urbanos (0,43%). No caso dos ônibus urbanos (0,43%), a pressão foi exercida pela região metropolitana de Belém, onde as tarifas foram reajustadas a partir do dia 07 de agosto.

A gasolina teve a principal queda do mês, com -0,89%, contribuindo em -0,04 ponto percentual. Quanto ao álcool, o preço do litro caiu 3,76%.

Neste ano os preços já aumentaram 2,8%. O resultado está acima do índice acumulado no mesmo período do ano passado: 1,78%. O IPCA é usado pelo governo federal como índice oficial da inflação. A coleta de preços é feita pelo IBGE em nove regiões metropolitanas do país, além de Goiânia e Brasília. A pesquisa se refere às famílias com renda mensal de um a 40 salários mínimos.

Fonte: Agência Brasil

Comentários