Assentados conseguem financiamento de terras

0

Conselho aprovou a compra de 13 terrenos essa manhã no auditório da Pronese
Aproximadamente 250 famílias assentadas em todo o Estado de Sergipe receberão lotes de terras financiados pelo BNB em convênio com o Governo do Estado. O Conselho Estadual do Desenvolvimento Rural aprovou na nessa segunda-feira, 10, a compra de 13 dos 26 imóveis rurais que serão repartidos entre as associações de produtores rurais cadastradas. O convênio faz parte do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf).

Durante a reunião, ocorrida no auditório da Empresa do Desenvolvimento Sustentável do Estado de Sergipe (Pronese), os membros do conselho ouviram as delimitações técnicas sobre as possibilidades de compra dos terrenos. Após a descrição de cada imóvel os conselheiros votavam sobre a compra ou não. Os terrenos que não foram aprovados serão analisados em uma nova reunião na terça-feira, 18.

Juarez Menezes, membro da associação São Francisco 2, foi um dos beneficiados

Os imóveis comprados pelo governo estão localizados nos municípios de Porto da Folha, Indiaroba, Poço verde, Lagarto, Japaratuba, Estância, Riachão do Dantas, Itaporanga, Nossa Senhora da Glória, São Cristóvão, Monte Alegre, Macambira, Itabí e Canindé do São Francisco.
 
A fazenda onde ficará a associação São Francisco 2, próxima ao Rio São Francisco, será dividida entre 38 famílias. O agricultor Juarez Menezes, membro da associação, lembra que luta há cinco anos para conseguir terra onde plantar. “Eu estou feliz da vida. Agora vamos começar a viver de novo”, diz. Cada família vai ficar com 38 hectares de terra para plantar a cultura que mais lhe for satisfatória. 
 
Seguro-Safra

Também na manhã de hoje os agricultores que tiveram perdas na produção de 2007 por causa da seca receberam o Fundo de Garantia Safra. Poço Redondo, município que teve 70% da safra perdida, foi o maior beneficiado pelo programa. Ao todo, 24 mil agricultores em todo o Estado receberam o ressarcimento pela perda da safra.

Por Ben-Hur Correia e Gabriela Amorim

Comentários