Bancários aprovam ida do SEEB nos atos do dia 15

0
Ivânia Pereira reforçou para a importância da participação dos bancários e bancárias nesse debate

Em assembleia geral, os bancários e bancárias de Sergipe aprovaram a participação da categoria nas manifestações do dia 15 de março, Dia Nacional de Protestos e Paralisações contra a PEC 287. A participação foi deliberada após um rico debate sobre os impactos da reforma da previdência, realizada no último dia 9, na sede do sindicato.

O SEEB/SE participará dos protestos unitários do dia 15, que acontecerão às 7h30, porta do prédio do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), do bairro Siqueira Campos. O ato é organizado pela Central Sindical dos Trabalhadores (CTB/SE), União Geral dos Trabalhadores (UGT/SE), Federação dos Trabalhadores na Agricultura de Sergipe (Fetase) e movimentos sociais.

Na assembleia dos bancários, o tema sobre a previdência foi apresentado pelos diretores do SEEB/SE e Instituto Banese de Seguridade Social (Sergus), respectivamente, Adilson Azevedo e Augusto Cezar Barboza. A mesa foi dirigida pela presidenta do SEEB/SE, Ivânia Pereira.  Adilson Azevedo abordou os impactos desastrosos da reforma da previdência sobre a aposentadoria e os benefícios sociais. O sindicalista também é o representante os Trabalhadores no Conselho de Recursos de Seguridade Social (CRSS) da 25º Junta. “A PEC 287 se aprovada promoverá uma barbárie. Essa reforma  não apenas liquidará com a aposentadoria, mas causará impactos gigantescos na vida das famílias brasileiras. Sabemos que o carro-chefe da reforma é sem dúvida a aposentadoria. Porém, há uma gama de benefícios sociais que serão afetados (reduzidos, precarizados e outros extintos) como as pensões, aposentadoria rural e os benefícios sociais e assistenciais para idosos e deficientes”, enumera o sindicalista.

Augusto Cezar também reforçou o alerta: a PEC 287 destrói direitos historicamente conquistados pelos trabalhadores brasileiros. “O governo, cujo programa não foi referendado nas urnas pelo povo, não dialoga com a sociedade e principalmente não conversa com os trabalhadores sobre essa reforma. Muito pelo contrário, tenta através da mídia dividir a classe trabalhadora em torno da disputa sobre o rumo da aposentadoria. Tenta ao mesmo tempo construir uma metodologia de instituir a intraclasse trabalhadora, uma guerra de todos contra todos. E ainda quer convencer a população que é melhor ganhar 10% do pouco do que 100% do nada”, afirma.

Ivânia Pereira reforçou para a importância da participação dos bancários e bancárias nesse debate. Para ela, a única saída no momento para os trabalhadores é "resistir a todo custo contra a retirada dos direitos".

Fonte e foto: Ascom SEEB/SE

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais