CDL prevê crescimento tímido nas vendas para o do Dia das Crianças

0
(Foto: arquivo/Portal Infonet)

A pouco mais de duas semanas para a comemoração do Dia das Crianças, uma das datas lucrativas para o comércio brasileiro, a previsão para as vendas é de cautela, sem tantos otimismos. Segundo o presidente da Câmara dos Dirigentes Lojistas de Aracaju (CDL/SE), Breno Barreto, embora seja cedo para uma previsão assertiva, há a possibilidade de um crescimento modesto. “Eu acredito que esse Dia das Crianças tenha um crescimento comparado ao ano de 2017, ainda que singelo”, ressalta ele, lembrando que ano passado a data teve uma alta de 2,7%, segundo o Serviço Central de Proteção ao Crédito (Boa Vista SCPC), motivo para comemorção pelo setor em virtude de ter interrompido dois anos de quedas consecutivas.

Breno Barreto, presidente da (CDL/SE) (Foto: Portal Infonet)

Para este ano, ainda segundo Breno, o bom desempenho do ano anterior poderá ter continuidade. “Como as crianças são insistentes, certamente elas vão conseguir fazer com que os pais as presentei”, destaca. Outro fator a ser considerado para projetar esse crescimento está no pagamento dos servidores do Estado que contribuem com a maior porcentagem de compras. “O pagamento do funcionalismo público representa cerca de 55% do total do que é consumido em datas comemorativas como esta. Por isso é importante também a assiduidade no pagamento dos servidores”, esclarece.

Mesmo o consumo das famílias estagnado, haja vista que há atualmente 63 milhões de pessoas com o nome negativado, segundo o SPC, Breno acredita que as compras à vista terão um papel importante para as pessoas que não tem crédito, além do mais, ainda segundo ele, o saque do PIS/PASEP irá incrementar o poder de compra das pessoas, impulsionado as vendas. “Todo dinheiro novo que não esteja empregado está apto para o consumo”, destaca.

Ana Cristina, gerente de uma das lojas do Centro de Aracaju. (Foto: Portal Infonet)

Para a gerente de uma das lojas do Centro de Aracaju, Ana Cristina, o momento é realmente para se ter paciência. Para ela, no mesmo período do ano passado, as vendas já estavam a todo vapor. No entanto, ela segue otimista e acredita numa virada a partir do mês que vem. “Esperamos que melhore a partir do dia primeiro de outubro, pois irá começar alguns pagamentos e encomendas para doações. Ninguém deixa de levar um presente para as crianças ou de comprar para doar”, diz Ana.

Por João Paulo e Raquel Almeida

Comentários