Com previsão de retorno no dia 28, academias preparam protocolo

0
Setor acredita que pode retomar as atividades cumprindo protocolo e com capacidade reduzida (Foto: Enviada pelos representantes do setor)

Um dia após realizarem um protesto em frente ao Palácio dos Despachos, representantes de academias, centros de lutas e profissionais de educação física foram recebidos pelo Governo para discutir a retomada das atividades do segmento. Quem conduziu a reunião foi o superintendente de comunicação social do Governo, Givaldo Ricardo.

Durante o diálogo, o Governo passou aos profissionais a previsão de retorno das atividades do segmento para o dia 28 de agosto, se o plano de retomada econômica seguir o planejamento de forma normal. Para que o segmento retorne, no entanto, o Governo solicitou sugestões e um protocolo de segurança para garantir a atenuação do risco de contágio da Covid-19 entre os praticantes das atividades.

De acordo com o professor Andeson Canela, o entendimento da categoria é que os estabelecimentos em questão já têm condições de retomar as atividades, com os devidos cuidados, por considerar que as atividades físicas são essenciais para o fortalecimento do sistema imunológico e para a saúde mental das pessoas que estão sofrendo com a ansiedade durante a pandemia. “Além do fator saúde, o nosso ramo em Sergipe gera cerca de 20 mil empregos diretos e indiretos e são 628 academias de musculação registradas oficialmente em Sergipe, ou seja, é essencial para a economia”, complementa Canela.

O professor afirma que também solicitou ao Governo que no decreto do próximo dia 14, autorize a liberação dos espaços públicos para desenvolvimento de atividades de academias, até que os estabelecimentos sejam liberados. O Governo não confirma se atenderá o pedido.

Como as academias devem retornar

No protocolo que está sendo concluído pelo segmento, a previsão é que as academias retornem com a capacidade de atendimento reduzida e critérios sanitários. “A gente ainda descobrir quais horários serão estabelecidos por decreto, mas a ideia é que o setor retorne com 40 a 50% da capacidade. Os equipamentos terão que manter uma distância de um metro e meio e os usuários deverão utilizar equipamentos individuais (máscaras) e álcool em gel (para higienizar os aparelhos antes do uso)”, explica Canela.

Por Ícaro Novaes

Comentários