Comércio vê vendas no Dia das Crianças com receio

0

Movimento em lojas de brinquedos ainda é considerado fraco
Com a proximidade do Dia das Crianças, comemorado na próxima segunda-feira, 12,  comerciantes vêem-se preocupados com as vendas que ainda estão aquém do esperado. Um dos principais fatores apontados para o receio é a greve dos bancos. Até o fim-de-semana espera-se que os consumidores reajam e impulsionem o comércio.

Jaqueline Dias, gerente de uma loja de brinquedos do Centro da capital, diz que o movimento fraco surpreendeu. “Esperava que fosse melhor, a gente sempre espera que seja. Se vendermos até 20% a mais do que em 2008 já é motivo para comemorar”, diz.

Jaqueline diz que espera aumento de 20% nas vendas
Ela acrescenta que o comportamento dos consumidores ainda é tímido, principalmente nas opções de presentes. “Os brinquedos mais populares são os que mais saem, principalmente por quem deseja fazer doações”, afirma. Nesse caso, as opções de brinquedos começam com preços a partir de R$ 0,59.

A greve dos bancários é apontada pelo vendedor Adenildo Silva como um dos fatores que estão atrapalhando as vendas. No entanto, ele não esconde o otimismo. “A gente pensa em superar o ano passado, mas talvez não seja possível. A greve está atrapalhando”, comenta. “Até o fim-de-semana a gente acha que vai melhorar mais”, prevê.  No local os presentes custam a partir de R$ 5 e, não muito diferente da outra loja citada, este ano os clientes preferem os brinquedos mais baratos.

Adenildo diz que clientes estão preferindo brinquedos mais baratos
Aumento de 5%

De acordo com o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), Samuel Schuster, a previsão é de que o comércio em geral tenha um aumento de 5%. “É claro que alguns setores crescerão mais, como o de presentes para crianças, que provocarão um acréscimo nas vendas de vários artigos”, avisa.

Ainda segundo Schuster, o impacto da greve dos bancos não deve ser tão grande. “O brasileiro deixa tudo sempre para a última hora, por isso as vendas ainda aumentarão. Se a greve acabar ainda esta semana, o movimento vai melhorar”, finaliza.

Por Diogenes de Souza e Kátia Susanna

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais