Compras natalinas devem movimentar R$ 6 milhões na economia sergipana

0
10% da população economicamente ativa de Sergipe deve se dirigir às compras, diz FCDL (Foto: arquivo Portal Infonet)

Mesmo com crise econômica e orçamento apertado, os brasileiros não vão deixar de comprar os presentes de natal. De acordo com pesquisa realizada Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), considerando somente a aquisição de presentes natalinos, a injeção de dinheiro na economia do país deverá ser da ordem R$ 60 bilhões no comércio. Em Sergipe, que representa cerca de 1% da estimativa nacional, segundo a Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas (FCDL), devem ser injetados na economia cerca de R$ 6 milhões.

A pesquisa aponta ainda que seis em cada dez (65%) consumidores devem se auto presentear na data, um crescimento de 11 pontos percentuais em relação a 2018. A expectativa é de que 101,6 milhões de pessoas comprem algum presente para si mesmas neste fim de ano, o que promete movimentar cerca de R$ 36,7 bilhões na economia.

Pelos cálculos aproximados da projeção nacional, a FCDL projeta que em Sergipe, pelo menos mais 10% população economicamente ativa se dirija às compras nas mais variadas formas de varejo, comércios de rua, shoppings centers e pela internet.

Presentes Preferidos

A Fecomércio também realizou uma pesquisa recentemente para apurar quanto cada sergipano deseja gastar com os presentes de final de ano. O ticket médio, ou seja, o valor a ser gasto pelo consumidor com cada item comprado, será de R$ 250, valor maior do que a média geral do país que será de R$ 124,99.

Outra dado que a pesquisa local aponta é que as roupas ocupam o primeiro lugar (33,3%) na preferência de compras dos sergipanos para presentear nesse natal, seguido por brinquedos (14,3%) e calçados (11,9%). Para o presidente do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac, Laércio Oliveira, os resultados são animadores para os empresários e trabalhadores do comércio de Sergipe.

“O consumidor está voltando às lojas, isso faz com que os empresários se animem com a perspectiva de elevação das vendas. Os resultados já estão sendo apresentados na forma de investimentos nas empresas, pois o comércio já apresenta novas contratações para o período de final de ano e isso injeta novos consumidores no mercado, deixando os trabalhadores felizes porque vão vender e os empresários interessados em investir no mix de produtos para ofertar ao público”, afirma.

Forma de Pagamento

Este ano o pagamento à vista será o mais utilizado entre os brasileiros. De acordo com a CNDL, 72% dos compradores vão pagar presentes à vista, seja em dinheiro (56%) ou no cartão de débito (34%), e para quem vai parcelar, a média será de cinco prestações. Ou seja, que quem comprar os presentes neste mês de dezembro, estará com a renda comprometida com prestações pelo menos até maio de 2020.

Por Karla Pinheiro com informações da CNDL, FCDL e Fecomércio

Comentários