Construção civil já sofre com a crise

0

E então, a crise já chegou a que setores da economia em nosso Estado? Pelo menos um pouquinho dela já bate às portas da Construção Civil. O Presidente do Sinduscon, o sindicato da classe, sr. Ubirajara Madureira Rabelo, nos dizia que o mercado de imóveis de luxo está praticamente parado. O mercado para a classe média ou para os populares, ainda funciona bem. Não há obras paralisadas, mas o escriba pode constatar que os lançamentos estão mais lentos.

Mas, aí o sr. Tarcisio Teixeira, um dos dois homens fortes da Norcon, nos dizia que este período, entre dezembro e janeiro, é normalmente fraco para a área. Muitos operários entram de férias, as empresas estão fazendo as contas do ano anterior, de modo que o mercado só se aquece a partir de março. Ele acha que não há motivos para preocupação, pelo menos até o momento.   

O Presidente do Sinduscon mostrava-se otimista porque o próprio governador declarou, em almoço na FIES, antes do natal, que o Estado tem 750 milhões de reais para investir em atividades produtivas. Mas chamou a atenção de Sua Excelência, o dr. Déda: “O governador tem que acelerar o seu programa de governo. É que a eleição é no próximo ano. E até as eleições de 2010 tem dois invernos pela frente, fora o período eleitoral onde não se pode contratar obras novas”.

O escriba então questionou: “E por que o programa de construção do governo não anda?”. “Há excesso de burocracia. Tudo vai parar na PGE (Procuradoria Geral do Estado). Logo…”, afirmou Ubirajara Madureira.

Por Ivan Valença

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais