Dieese apresenta estudo sobre salários

0

Foto: sxc.hu
Uma pesquisa divulgada nesta quinta, 4, pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) aponta que, no primeiro semestre do ano, 85,8% dos reajustes conquistados pelas categorias que negociaram seus salários asseguraram, no mínimo, a recomposição da inflação acumulada.

O ‘Balanço das negociações dos reajustes salariais no primeiro semestre de 2008’ informa ainda que esse percentual é inferior aos apurados no mesmo período dos dois últimos anos, em que se registraram índices de 96,5% (2006) e 96,6% (2007). Contudo, é um patamar mais favorável do que o do período entre 1996 e 2004, quando, em nenhum momento, a casa dos 80% foi transposta.

Das 309 unidades de negociação consideradas no 1º semestre deste ano, 73,5% superaram a inflação acumulada na data-base, percentual igualmente menor que os registrados nos dois últimos anos (84,4%, em 2006; 87,1%, em 2007).

Quando se considera os setores econômicos, verifica-se que 81,3% das 129 negociações realizadas por categorias do setor industrial conquistaram reajustes superiores à inflação. Patamar semelhante – 80,0% – foi observado com relação aos 45 resultados referentes ao comércio. No setor de Serviços foi encontrado o menor percentual de resultados positivos, ou seja, 64,0%. O estudo não considerou negociações realizadas por entidades de trabalhadores rurais e de funcionários públicos, devido às especificidades destes setores.

Com relação às negociações segundo as diferentes regiões do país, pode-se verificar que no Sul e na região Centro-Oeste foram encontrados os maiores percentuais de negociações com ganhos superiores à inflação: 85,7% e 84,6%, respectivamente. No Nordeste (69,7%), Sudeste (68,3%) e Norte (62,5%) o percentual dos resultados com ganhos superiores à inflação foi menor.

Com informações do Dieese

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais