E-commerce e entretenimento evidenciam importância da internet

0
(Foto: Pixabay)

A pandemia trouxe uma crise sem precedentes em vários setores da economia, mas também deixou clara a importância da internet e dos serviços online em geral para a sociedade atual. Isso porque com lojas físicas, restaurantes e outros negócios fechados por conta das medidas de isolamento social, o mundo digital evitou o que poderia ser um colapso para diversos segmentos.

Segundo dados divulgados pela Agência Nacional de Telecomunicações (ANATEL), o uso da internet no Brasil cresceu em 50% desde o início da pandemia, em março. A sobrecarga de usuários também levou a alguns efeitos colaterais como a diminuição da velocidade média de banda larga e, consequentemente, o número de reclamações contra os provedores. No entanto, é um dado importante para entender a dimensão que o mundo online ganhou nos últimos meses.

E-commerce tem crescimento exponencial

O setor que mais tirou proveito da situação foi o de compras online. De acordo com uma pesquisa realizada pelo Movimento Compre&Confie, o e-commerce registrou um aumento de 126,9% só no mês de maio, com 23,8 milhões de pedidos entre os dias 1º e 24 do último mês. Ainda de acordo com o levantamento, o segmento movimentou cerca de R$ 9,4 bilhões no período, com destaque para alimentos e bebidas, vale-presentes, móveis, brinquedos e papelaria.

“O crescimento expressivo destas categorias podem ser facilmente explicados pela necessidade das pessoas permaneceram em suas casas após o início da pandemia no Brasil. Com os pais trabalhando em home office e as crianças  impossibilitadas de irem para escola, tivemos uma mudança rápida no perfil de consumo, com produtos relacionados a alimentação, bebidas e entretenimento dentro de casa.”, diz André Dias, diretor executivo do Compre&Confie.

Comparando dados entre fevereiro e maio deste ano com 2019, o crescimento foi ainda mais latente: 71%. Nesses três meses, o faturamento total do e-commerce foi de R$ 27,3 bilhões. Apesar disso, o valor do ticket médio foi 6% menor que o do ano passado, o que indica uma maior economia do brasileiro na hora de comprar e pode ser explicado pela retração econômica causada pela crise em 2020.

Um outro levantamento realizado pela Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABCOMM) mostrou que também cresceu em 400% o número de empresas que embarcaram nas vendas online. O total de abertura por mês saltou de 10 mil para 50 mil desde que as medidas de isolamento social foram implementadas em todo o país.

Entretenimento online entra em evidência

Se a internet já era a principal fonte de entretenimento antes da pandemia, ganhou ainda mais destaque durante o isolamento. Com o cancelamento de shows, eventos esportivos, lançamentos no cinema e outros meios presenciais de lazer, coube ao setor digital preencher essa lacuna.

Os casos mais notórios são as lives de cantores que tomaram o Brasil. Praticamente todos os grandes artistas do país aderiram às apresentações por meio de plataformas de streaming como YouTube, o que movimentou bastante o setor artístico – e, consequentemente, o mercado publicitário. O cantor sertanejo Gusttavo Lima, por exemplo, faturou R$ 10 milhões com lives durante a quarentena, segundo o jornal Extra.

Os jogos online também registraram um crescimento, desde os consagrados eSports até outras modalidades como poker (maior tráfego online nos últimos cinco anos em plataformas digitais), blackjack e roleta. A oferta de sites que operam nesse setor é cada vez maior no país, embora todos eles sejam registrados no exterior. No entanto, não há nenhuma barreira legal que impeça o uso deles por aqui.

Por falar em games, o mercado de eSports se viu ainda mais em evidência durante a pandemia, ganhando espaço até na televisão aberta e movimentando milhões com publicidade, direitos de transmissão e outros mercados. Grandes marcas do mundo do esporte como a Formula 1, NBA e MLB apostaram nos jogos virtuais para entreter seu vasto público durante o período, e parece ter sido uma decisão acertada.

Por fim, os serviços de streaming também registraram um importante crescimento. A Netflix ganhou 16 milhões de novos clientes entre os meses de janeiro e abril, o que supera em 100% as expectativas da empresa para o período. No entanto, a gigante do mercado de streaming viu a concorrência crescer ainda mais: outros serviços como Amazon Prime Video e Telecine Play tiveram um maior aumento de procura durante as últimas semanas e devem concorrer pra valer com a Netflix nos próximos meses e anos.

Ainda é incerto quanto tempo a pandemia vai durar. Medidas de restrição de circulação já estão sendo flexibilizadas em todo o país. No entanto, os meses que passaram deixaram claro o papel da internet mesmo em momentos de intensa crise e dão a letra para a revolução digital pela qual passamos – e ainda há muito mais por vir…

Por Helena Alves

Comentários