IBGE: cresce o número de unidades locais de empresas em SE

0
Apesar do aumento no número de unidades, o número de pessoal ocupado foi de 428.069 pessoas. (Foto: Pixabay)

Em Sergipe, entre os anos de 2018 e 2019, houve um aumento de 4,9% no número de unidades locais
de empresas, chegando a 34.381. O estado apresenta uma participação de 4% na região Nordeste,
estando em 23º no ranking nacional. Apesar do aumento no número de unidades, o número de
pessoal ocupado foi de 428.069 pessoas, registrando um aumento pouco expressivo na comparação
com 2018 (0,2% ou um total de pessoal ocupado de 427.043). Isso pode indicar o surgimento de
pequenas empresas, já que no estado, em 2019, mais de 80% do total de empresas tinham até 9
funcionários.

Em Sergipe, os cinco municípios com o maior número de unidades locais são Aracaju (17.838),
Itabaiana (2.154), Nossa Senhora do Socorro (1.451), Lagarto (1.383) e São Cristóvão (911).Em todos
os cinco municípios houve aumento no número de unidades locais, com destaque para São Cristóvão
que teve um aumento de 14,01% e Aracaju, com 9,2%. Por município em relação às pessoas
ocupadas, vale ressaltar que os municípios de Aracaju, Itabaiana e São Cristóvão registraram aumento
no número de pessoas entre os anos de 2018 e 2019. É importante ressaltar também, que do total de
pessoas ocupadas no estado em 2019 (428.069), somente Aracaju corresponde a 54,8% do total.

Do total de pessoas ocupadas em 2019 (428.069), 90,2% eram assalariadas em Sergipe. Em relação
aos salários e outras remunerações, o estado entre os anos de 2018 e 2019 registrou uma redução de
3,8%, chegando a 13.090 bilhões de reais. Diante dessa redução, em 2019, o salário médio mensal foi
para R $2.613,19, uma queda de 4,9% em relação a 2018. Este salário pode representar cerca de 2,6
salários-mínimos por mês.

Sergipe: 5 maiores números de empresas ativas por setor

Em Sergipe, de 2018 a 2019, a atividade que mais cresceu em relação ao número de empresas foi a
de atividades imobiliárias (29,3%), seguido de eletricidade e gás (23,5%). Em contrapartida, o setor
que mais perdeu empresas no segmento entre os anos de 2018 e 2019 foi o de Outras atividades de
serviços (-2,7%) e as indústrias extrativistas (-1,8%).

Das 21 atividades pesquisadas, 16 registraram aumento no número de empresas de 2018 a 2019,
seguido de 3 segmentos em queda e duas sem registro para o estado. Na distribuição do pessoal
ocupado assalariado por empresas, o maior percentual (21,3%) foi no segmento de Administração
pública, defesa e seguridade social, seguido de 16,5% no Comércio; reparação de veículos
automotores e motocicletas e 10,5% no setor de Saúde humana e serviços sociais.

O setor de Informação e comunicação representou o maior aumento de pessoal ocupado entre 2018
e 2019 (20,5%), enquanto que o setor de Atividades imobiliárias registrou a maior perda (-13,4%).

Maiores e menores salários em Sergipe por setor – 2019

Apesar de representarem os segmentos com os 3 maiores salários, vale ressaltar que a indústria
extrativista, registrou uma perda de 23,5% em relação à remuneração entre os anos de 2018 e 2019,
assim como o setor de Atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados (-16,3%) e da
Administração pública, defesa e seguridade social (-4,2%).

É importante ressaltar que todos os setores apresentaram queda salarial, com exceção de Atividades
imobiliárias, que teve um aumento de 5,2% chegando a uma média de R $1.530,79 e Artes, cultura,
esporte e recreação, que teve um leve e pequeno aumento de 0,3%. Os setores de alojamento e
alimentação, assim como de Atividades administrativas e serviços complementares (que estão na
lista dos 3 setores com menores salários), registraram queda de 4%.

A maioria das empresas são privadas, possuem até 9 funcionários e têm salário médio de R$ 1865
Do total das unidades, 89,3% são empresas privadas, 1,3% da administração pública e 9,4% de
entidades sem fins lucrativos. Apesar disso, 62% está ocupado em empresas privadas, diante de
32,7% de pessoas ocupadas na administração pública.

Ainda, 83,3% das empresas têm de 0 a 9 funcionários, seguido de 14,1% que têm de 10 a 41
funcionários, 2% das unidades locais contam com 50 a 249 funcionários e somente 0,6% possuem
mais de 250 funcionários. Apesar disso, a maior parte do pessoal ocupado (48,1%) está concentrado
em empresas com 250 ou mais funcionários, seguido de 21,1% em empresas de 10 a 41 funcionários.

Fonte: IBGE

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais