IR: saiba como sair da malha fina e acertar as contas com o leão

0
Nesta última segunda-feira, 10, a Receita Federal disponibilizou o sétimo e último lote da restituição. Se você não foi contemplado, tenha certeza: está na malha fina (Foto: Agência Brasil)

Se você foi um dos 4.634 contribuintes sergipanos que caíram na malha fina não se preocupe, ainda há tempo para regularizar sua situação junto ao ”leão”. Nesta última segunda-feira, 10, a Receita Federal disponibilizou o sétimo e último lote da restituição. Se você não foi contemplado, tenha certeza: está na malha fina.

“As pessoas que estão esperando a restituição e não receberam até ontem caíram na malha fina”, destaca o auditor da Receita Federal, Ricardo Celso. Segundo ele, não é momento para pânico. Ricardo alerta que está na malha fina quer dizer que há algumas inconstâncias nos dados que foram declarados à Receita. “Esses equívocos podem ser facilmente corrigidos”, pontua.

Ricardo Celso, auditor e Chefe de Compensação da Receita Federal (Foto: Portal Infonet)

O auditor destaca que geralmente as pessoas se confundem na hora de declarar despesas médicas e informar os rendimentos. “Para despesas médicas, por exemplo, é destinado um valor x, e não se pode ultrapassar esse valor. Esse é um dos erros mais comuns”, diz. “Em relação a omissão de pagamentos, o contribuinte às vezes informa que tem duas formas de rendimentos, quando na verdade é três ou mais”, destaca. Ainda de acordo com ele, esses dois erros representam cerca de 60% das causas que levam o contribuinte a cair na malha fina.

Ricardo informa que para sair dessa situação é preciso ter conhecimento da causa. Dessa maneira, o contribuinte tem que acessar o site da Receita Federal e buscar a opção IRPF (Imposto de Renda de Pessoa Física) 2018. “O segundo passo para entender o porquê de ter ficado redito em malha é acessar o extrato. Lá vai está registrado o motivo pelo qual a declaração caiu na malha fina”, resume. A partir daí, segundo o auditor, é só reenviar os dados com as devidas correções. “Assim que o contribuinte tiver acesso a causa, é só buscar os meios para regularizar a documentação. Se houver um erro, é só retificar a declaração”, avalia.

Se as dúvidas ainda persistirem, Ricardo deixa claro que à Receita Federal está aberta para tirar as dúvidas. É só comparecer na sede da instituição para avaliações e orientações.

por João Paulo Schneider  e Yago de Andrade

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais