Mais de 54 mil sergipanos ainda não declararam seus impostos de renda

0
Foto: Marcello Casal Jr / Agência Brasil

Até esta sexta-feira, 26, a Receita Federal em Sergipe já recebeu 170.675 declarações de Imposto de Renda, equivalentes a 75,86% do quantitativo esperado até a próxima terça-feira, 30, quando o prazo para os envios será encerrado. De acordo com o supervisor do Programa de Imposto de Renda da Receita Federal no estado, Nilson Lima, 54.325 declarações ainda faltam ser enviadas.

Nilson explica que, devido à pandemia causada pelo novo coronavírus, os contribuintes tiveram que lidar com dois imprevistos. Segundo ele, a expectativa de que para concluir a declaração era preciso informar o número do recibo do ano passado gerou alguns contratempos, considerando que grande parte dos contribuintes não tinham acesso a esse dado, mas a situação foi resolvida com a liberação da informação por parte da Receita Federal.

Além disso, alguns sergipanos apresentaram dificuldade para ter acesso às suas fontes pagadoras, já que muitas empresas encerraram suas atividades, também por causa da pandemia. Sem essa fonte oficial de informação, o supervisor orienta que essas pessoas somem seus contracheques, consultem suas anotações e seus extratos bancários para que, por meio desse levantamento, possam realizar suas declarações. “Se houver choque de informações quando ele tiver acesso à documentação oficial ele retifica sua declaração e, com essa atitude, não perde o prazo”, explica.

O supervisor ressalta que o não cumprimento do envio das declarações dentro do prazo estipulado pela Receita Federal pode resultar em sérias consequências. Além de multa por atraso na entrega, podem ocorrer a suspensão da inscrição cadastral na base do CPF, já que o contribuinte estaria omisso da entrega da declaração ou o chamado ‘lançamento de ofício’, com multa de 75%, podendo alcançar percentuais mais elevados caso se comprove que houve algum comportamento doloso por parte dos contribuintes em relação às informações que deixaram de prestar.

por Juliana Melo e Ícaro Novaes

Comentários