Preço da cesta básica cai em Aracaju

0

Sete das 17 capitais onde o DIEESE – Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos – realiza mensalmente a Pesquisa Nacional da Cesta Básica, apresentaram recuo no custo dos gêneros alimentícios essenciais, em abril. As maiores quedas ocorreram em Manaus (-2,58%) e Aracaju (-2,16%). Em outras 10 localidades o custo da cesta subiu, com destaque para João Pessoa (5,32%), Fortaleza (3,95%) e Belo Horizonte (3,85%).

Embora o preço dos gêneros essenciais tenha recuado 1,64%, em Porto Alegre, a capital gaúcha continuou a registrar o maior valor para a cesta básica: R$ 234,81. Como em São Paulo os alimentos subiram 1,68% e no Rio de Janeiro 1,82%, estas duas localidades apresentaram, em abril, valores mais próximos do apurado (se comparado com o mês anterior) para a cidade mais cara, respectivamente com R$ 225,63 e R$ 222,60. Aracaju continuou a ter o menor custo (R$ 163,76), seguida por Recife (R$ 176,65) e João Pessoa (R$ 184,02).

Com base no maior valor apurado para a cesta e levando em consideração a determinação constitucional que estabelece que o salário mínimo deveria suprir as despesas de um trabalhador e sua família com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência, o DIEESE estima mensalmente quanto deveria valer o salário mínimo necessário.

Com a queda no custo da cesta, o valor do mínimo necessário também diminuiu, ficando em R$ 1.972,64, ou seja, 4,24 vezes o mínimo vigente (R$ 465,00), enquanto em março o valor necessário era de R$ 2.005,57, que representava  4,31 vezes o salário mínimo. Em abril de 2008, o mínimo era estimado em R$ 1.918,12, ou 4,62 vezes o piso de então (R$ 415,00).

Variações acumuladas

Nos primeiros quatro meses do ano,  quinze capitais registraram variação acumulada negativa para o custo da cesta básica. As maiores quedas, entre janeiro e abril, ocorreram em Aracaju (-15,27%), Florianópolis (-12,09%), Natal (-9,88%), Curitiba (-8,57%) e João Pessoa (-8,24%). Os aumentos foram apurados em Goiânia (1,16%) e Belém (0,74%). 

Entre maio de 2008 e abril último, seis das 16 capitais pesquisadas apresentaram variação acumulada negativa e naquelas onde houve alta, o aumento é inferior ao reajuste de 12,05% concedido ao salário mínimo em fevereiro último.

As maiores retrações, em 12 meses, foram apuradas em Belo Horizonte (-6,03%) e Aracaju (-5,50%). As maiores elevações foram verificadas para Goiânia (9,38%), Salvador (8,21%), Porto Alegre (3,54%), Vitória (3,26%) e Brasília (3,25%). Ainda não existem dados anuais para Manaus.

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais