Programa do Leite implanta pagamento direto ao produtor ainda este semestre

0

(Fotos: Ascom/Seides)
A Secretaria de Estado da Inclusão, Assistência e do desenvolvimento Social (Seides) realizou mais uma rodada de diálogo com os laticínios e associações de produtores integrantes do Programa de Aquisição de Alimentos na modalidade de Incentivo à Produção e Consumo de Leite, o PAA-Leite. O objetivo do encontro, que aconteceu na sala de reuniões da Secretaria na última quarta-feira, 16, foi ajustar questões como a do pagamento direto ao produtor.

Para a secretária de Estado da Inclusão Social, Eliane Aquino, tanto o papel dos laticínios quanto o das associações é fundamental para que o PAA-Leite seja bem executado e o produto chegue com qualidade às 33,5 mil famílias de 35 municípios que participam do programa.

Eliane Aquino
“O nosso público prioritário é muito necessitado e precisa receber o leite diariamente. Por isso, é fundamental que os produtores sejam cada vez mais assistidos, assim como as associações. Só se tem ideia do quão importante é esse programa quando a gente vê a felicidade das pessoas com o leite em suas casas”, destacou.

Transparência

Durante o encontro a secretária adjunta da Seides, Maria Luci Silva, relatou que as mudanças na forma de pagamento do PAA-Leite estão sendo implantadas no novo sistema de pagamentos do Governo do Estado e que, entre os meses abril ou maio, o dinheiro começará a cair diretamente na conta dos produtores.

Luci Silva
“Graças a Deus recebemos a boa notícia de que o programa PAA-Leite foi cadastrado normalmente no sistema. Na hora em que o sistema estiver 100% implantado, iremos deixar o programa ainda mais transparente e o processo muito mais ágil”, disse Luci, ao destacar que o contato direto e permanente com as associações, laticínios e produtores garante a transparência e o bom andamento do programa.

“Precisamos trabalhar a autonomia desse produtor porque agora ele vai receber o dinheiro direto na conta, então a gente precisa eliminar qualquer possibilidade de  erros que possam ocorrer dentro do sistema de pagamentos. Isso vale também para o PAA-Alimentos, que estamos implantando em sete municípios para adquirir produtos da agricultura familiar”, observou.

Preço competitivo

Para o presidente da Cooperativa Regional Dois Assentados de Reforma Agrária do Sertão de Sergipe LTDA (Coprase), João Gomes da Silva, a sistemática de realizar reuniões periódicas entre Estado, Laticínios e Associações assegura a execução transparente do PAA-Leite.

“Estamos há seis anos no programa e o leite no estado passou a ter preço competitivo. Se chegarmos na região de Canindé do São Francisco ou em Poço Redondo, a maioria dos produtores vendem o litro do leite por R$ 0,55. Então, o programa, faça chuva ou faça sol, não baixa o preço, que continua R$ 0,71. O PAA-Leite veio para estabilizar o preço do produto”, destacou.

Fonte: Ascom/Seides

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais