Receita Federal já recebeu 84 mil declarações de isento em SE

0

A sede da Receita Federal em Sergipe já computou 84 mil declarações de isentos desde o dia 2 de setembro, quando foi iniciado o processo. A maior parte (75%) foi feita pela internet, através do site da Receita, o que indica uma maior utilização do meio esse ano. O prazo vai até 30 de novembro, e os portadores de CPF que não declararem isenção por dois anos consecutivos estão sujeitos a sanções.

A Receita espera receber aproximadamente 750.000 declarações de isento de todo o Estado e o alto número de pessoas que já declarou revela que a população não está mais deixando para a última hora. “A cada ano as pessoas estão fazendo mais cedo a declaração. Muitas vezes para não pegar as filas e a correria da última hora”, diz o chefe do centro de Atendimento da Receita Federal em Sergipe, Roberto Cláudio Chagas.

Até agora 2.647 pessoas declararam pelos Correios, 63.076 pelo site da Receita, 150 por outros veículos On-line, 16.450 por casas lotéricas e 2.171 pelos bancos (Caixa Econômica, Banco do Brasil e Banco Popular). Além desses meios o contribuinte pode declarar através do telefone celular (R$0,60 o minuto) ou pelo telefone fixo (R$0,35 o minuto) através do número 0300 780300.

Roberto Claudio Chagas
Deve se declarar como isento à Receita Federal todo cidadão que recebeu até R$14.992,32 durante o ano de 2006. “É bom ressaltar que todo portador de CPF precisa fazer sua declaração à Receita Federal. Hoje em dia, algumas crianças já tem CPF, e elas também devem fazer a declaração de isento, se não constarem como dependentes nas declarações dos pais”, lembra Chagas.

Atualmente 500 mil CPF”s estão irregulares em Sergipe, e podem voltar à situação normal fazendo a declaração de isento esse ano. Quem está em débito com a Receita Federal está sujeito às sanções, como impossibilidade de abrir conta em Bancos, créditos financeiros, vistos para passaporte, e não participação em concursos públicos. As pessoas podem consultar a situação do CPF através do site da Receita Federal. 

Comentários