Sergipe atinge meta do Programa Nacional de Agricultura Familiar

0

Com uma meta anual de R$ 41 milhões, o BNB superou nesta semana o valor de aplicação no Programa Nacional de Agricultura Familiar para o Estado, proposto pelo Governo Federal. Esses recursos estão distribuído entre 21.862 operações. Faltando três meses para o final de 2005, o gerente do Pronaf em Sergipe Volnandy Brito prevê que o Banco supere em mais R$ 15 milhões a meta deste ano. Em 2004, o valor de R$ 40 milhões só foi alcançado no final de dezembro.

Segundo Volnandy, esse aumento se deve a vários fatores, como a criação de uma gerência estadual do Pronaf e uma equipe de suporte ao programa, com representantes em cada uma das 15 agências do BNB em Sergipe. Essa nova gerência foi criada em todos os Estados do Nordeste pela direção geral do Banco em janeiro deste ano. Outro fator decisivo seria o fortalecimento das parcerias com instituições como a Deagro, Incra, Fetase, Pronese, empresas conveniadas privadas de elaboração de projetos e prefeituras municipais.

 

O PROGRAMA

O Pronaf é um programa federal para a geração de emprego e renda através do apoio financeiro às atividades agropecuárias e não-agropecuárias, a partir de financiamentos para investimentos destinados à implantação, ampliação e modernização da infra-estrutura de produção e serviços. De 2004 para cá, o Governo Federal ampliou de 05 para 12 as modalidades de crédito do programa.

As principais novidades para Sergipe, segundo Volnandy Brito, coordenador estadual do Pronaf, são a criação do Pronaf Agroindústria, Pronaf Semi-Árido, Pronaf Jovem e Pronaf Mulher. Eles foram criados para atender públicos específicos, como jovens filhos de agricultores maiores de 16 que desejem iniciar uma atividade agropecuária ou companheiras de agricultores familiares, pescadores artesanais, extrativistas, aqüicultores e silvicultores.

“Não há uma linha de crédito mais acessível ao pequeno produtor no país hoje”, reforça Volnandy. “Os juros chegam a 1% ao ano, incluindo um prazo de 10 anos para pagamento, com carência de até 5 anos. Estamos fortalecendo o programa no Estado e promovendo uma articulação cada vez mais intensa com nossos parceiros, como o Governo, as Prefeituras e instituições com a Deagro e a Fetase”, afirmou.

Comentários