Taxa de desemprego sobe pelo terceiro mês seguido em Sergipe

0
Ainda segundo o IBGE, a taxa de desemprego no estado de Sergipe subiu pelo terceiro mês seguido. Em maio a taxa havia ficado em 7,3% e em junho anotou 9,4% (Foto: Wilson Dias/ Agência Brasil)

O estado de Sergipe fechou o mês de julho com uma taxa de desemprego (também chamada de desocupação) no valor de 11,9%. O que representa aproximadamente 100 mil pessoas desempregadas. Os dados atualizados são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), através da Pnad Covid-19, uma versão especial –  e mensal – da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), que tem como objetivo monitorar os principais impactos causados pela pandemia do novo coronavírus no mercado de trabalho.

Ainda segundo o IBGE, a taxa de desemprego no estado de Sergipe subiu pelo terceiro mês seguido. Em maio, a taxa havia ficado em 7,3% e em junho anotou 9,4%. “Levando em consideração os meses de maio, junho e julho, percebe-se um cenário tanto do ambiente de busca por trabalho menos favorável, como um maior número de pessoas desocupadas. Com isso, algumas pessoas que não estavam ocupadas, mas que antes da pandemia de Covid-19 estavam tomando alguma providência para conseguir trabalho, podem ter cessado a busca por ocupação”, explica o IBGE.

Queda no setor privado

Ainda segundo o instituto de pesquisa, das 737 mil pessoas empregadas no estado de Sergipe, 216 mil eram empregados do setor privado com carteira assinada. Esse número representa uma queda quando comparado a maio (236 mil pessoas) e junho (223 mil). “As pessoas que trabalham no setor privado sem carteira de trabalho assinada, de junho a julho, também apresentaram queda na ocupação, saindo de 127 mil para 113 mil”, informa a pesquisa.

Áreas de atuação das pessoas empregadas 

Das 737 mil pessoas empregadas, a maior parte (171 mil) trabalha com Administração Pública, defesa e seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais, seguido de comércio; reparação de veículos automotores e motocicletas (135 mil) e agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura (99 mil).

“Apesar disso, esses setores apresentaram queda no número de pessoas ocupadas. Por exemplo, o setor de agricultura, pecuária, produção florestal, pesquisa e aquicultura aumentou o número de pessoas ocupadas de maio a junho (de 106 mil para 114 mil) e caiu para 99 mil em julho”, aponta o IBGE.

O que é desemprego para o IBGE

De acordo com o IBGE, o desemprego se refere às pessoas com idade para trabalhar (acima de 14 anos) que não estão trabalhando, mas estão disponíveis e tentam encontrar trabalho. Assim, para alguém ser considerado desempregado, não basta não possuir um emprego.

Veja alguns exemplos de pessoas que, embora não possuam um emprego, não podem ser consideradas desempregadas:

  • um universitário que dedica seu tempo somente aos estudos
  • uma dona de casa que não trabalha fora
  • uma empreendedora que possui seu próprio negócio

por João Paulo Schneider e Verlane Estácio

Com informações do IBGE

Comentários