Prefeito reinaugura a Emef José Airton de Andrade na Jabotiana

0
A reinauguração aconteceu nesta quinta-feira, 16 (Fotos: Ana Lícia Menezes)

Os 106 alunos da Escola Municipal de Ensino Fundamental (Emef) José Airton de Andrade, localizada no Largo da Aparecida, no bairro Jabotiana, poderão, enfim, retornar à unidade de ensino após cinco anos.

Nesta quinta-feira, 16, o prefeito Edvaldo Nogueira reinaugurou a escola que, em 2014, precisou interromper suas atividades depois que, durante a noite do dia 12 de março, invasores entraram na unidade para furtar merenda escolar e acabaram incendiando o local. A manhã de hoje, contudo, tem um significado especial para a comunidade onde vivem muitos antigos estudantes da instituição fundada no ano de 1989.
O prefeito Edvaldo Nogueira ressaltou que a reinauguração é mais do que uma obra material, se trata de fortalecimento do ensino público. “O que faz o filho de uma família humilde competir com o de uma família rica? É a educação. Por isso, investir em educação é uma das maiores prioridades dessa gestão. A escola José Airton, apesar de ser muito pequena, é extremamente importante porque é uma das coisas mais preciosas que essa comunidade tinha e voltar a ter”, destacou Edvaldo.
A escola foi invadida e incendiada em 2014

Durante a reinauguração, o prefeito afirmou que já está analisando a possibilidade de ampliar a José Airton. “Nosso empenho é fazer com que a educação cresça, que ela favoreça a melhoria da qualidade de vida das pessoas. Sem uma educação de qualidade, não temos perspectiva de futuro, sobretudo, a escola pública, porque ela é um fator importante de inclusão social. Nesses dois anos, reformamos mais de 20 escolas, construímos duas novas escolas, entregamos duas ampliações de unidades e, agora, nós estamos entregando a José Airton. Além do trabalho de construir e reformar escolas, estamos investindo na qualidade do ensino, reforçando o currículo, incluindo métodos novos, como a Pedagogia Waldorf, e vamos ampliar ainda mais. Precisamos preparar as nossas crianças, seja do ponto de vista humano, social ou intelectual. Por isso, tenho muita alegria em entregar uma escola que, para mim, é um tesouro”, reforçou.

Com um investimento de pouco mais de R$ 356 mil, a conclusão da obra, que foi iniciada e ficou paralisada durante a gestão passada, traz para a comunidade um sentimento de renovação. Agora, já pronta, a escola totalmente reformada e espaços reorganizados, conta com três salas de aula, secretaria, diretoria, um banheiro feminino, um banheiro masculino, um banheiro com acessibilidade, um reservatório de não-perecíveis, um reservatório de perecíveis, cozinha, área de serviço, refeitório, depósito de lixo, depósito para material de limpeza, lavanderia, área verde e área de lazer.
Essa obra estava entre os focos de atenção da Prefeitura, e a Secretaria Municipal da Educação (Semed) olhou com o devido cuidado para os alunos e toda a equipe da unidade de ensino que, com a paralisação das atividades no prédio, foram transferidos para a Emef Presidente Tancredo Neves, no bairro Ponto Novo.
De acordo com a secretária municipal da Educação, Maria Cecília Tavares Leite, a reinauguração vai reaproximar a comunidade da escola. “A escola ficou com as atividades suspensas por cinco anos e isso acarreta prejuízos graves para o desenvolvimento da educação. Agora, fazemos um apelo para que a comunidade renove o sentido de pertencimento. O projeto pedagógico ficou distanciado das crianças que são dessa comunidade e estavam se deslocando para outras localidades. Sempre que uma escola volta para o seu contexto, volta para a sua comunidade, resgata esse projeto, que não é só conteúdo formal, é formação sociocultural e discussão de sua realidade”, frisou.
Além de ser uma obra civil, a reconstrução vai trazer de volta a identidade da população, foi o que salientou a diretora da unidade, Vilma Lima. “Enquanto escola, eu já estava sentindo como se perdendo a identidade. Depois que a escola foi transferida para outro prédio, alguns alunos não puderam ir para lá, então, já percebo que o desejo de retorno à escola está crescendo também. Fomos muito bem acolhidos na Tancredo Neves, mas, é gratificante para um gestor estar em seu espaço”, afirmou.
Para o presidente da Empresa Municipal de Obras e Urbanização (Emurb), Sérgio Ferrari, essa é uma obra que a população pode se orgulhar. “Quisemos dar maior celeridade à obra. Foi uma reforma, aparentemente, simples, já que a escola é pequena, mas, tem um significado muito importante. Foi um trabalho feito com muito cuidado, com muito carinho. É uma obra que dá muita satisfação em poder entregar”, considerou.
Dona Raimunda Ferreira da Silva mora na comunidade há mais de 50 anos e os seus três filhos estudaram na José Airton de Andrade. “Acompanhei a entrega da escola em 1989 e a vi ser incendiada. Hoje, sinto uma alegria profunda em ver como ficou linda, bem cuidada. Dá vontade de voltar a ser criança para poder estudar nela. Espero que a comunidade saiba cuidar e valorizar esse presente”, concluiu.
Histórico
Desde o incêndio, a reconstrução da escola passou por um longo processo burocrático. Durante a gestão passada, a Semed realizou um contrato interno (sem passar pelo crivo da Empresa Municipal de Obras e Urbanização – Emurb). A construtora, então, iniciou a obra de reconstrução. Após realizar cerca de 70% da obra, a empresa pediu um aditivo contratual, que foi negado pela Procuradoria Geral do Município (PGM). Na época, não houve prorrogação do mesmo, o que levou à perda do objeto do contrato.
Em janeiro de 2017, quando iniciada a atual gestão, a Prefeitura de Aracaju, através da Semed, realizou uma série de visitas às escolas existentes. A tônica adotada pelo prefeito Edvaldo Nogueira foi a de que os contratos que envolvessem engenharia deveriam ser celebrados com o devido acompanhamento da Emurb.
Os procedimentos necessários para a realização dos processos licitatórios das obras na José Airton, desde então, foram encaminhados, obedecendo os trâmites e prazos legais requeridos. Em junho de 2018, houve uma nova licitação para a obra, mas foi deserta. Em seguida, a planilha de custos foi atualizada e novo procedimento ocorreu, registrando o interesse de empresas e, desta forma, o processo foi finalizado e homologado. A ordem de serviço foi assinada em novembro do ano passado.

 

Fonte: PMA 

Comentários