Professores fazem ato em defesa do piso e contra cortes de verbas

0
Adelmo informa que o ato tem o objetivo de defender o pagamento do piso salarial (Fotos: Portal Infonet)

Professores da rede municipal de ensino de Aracaju realizaram na manhã desta quarta-feira, 15, uma manifestação em frente à Câmara Municipal de Aracaju (CMA), em defesa do piso salarial, contra a reforma da Previdência e o corte de verbas para educação, anunciado recentemente pelo ministro Abraham Weintraub.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Profissionais do Ensino do Município de Aracaju (Sindipema), Adelmo Menezes, uma das principais pautas do ato é defender o pagamento do piso salarial. “Hoje é um dia importante para todos que defendem a educação pública. Além da greve nacional da categoria, convocada

Joelma Dias ressalta que a Reforma atingirá as mulheres drasticamente

pela Confederação Nacional dos Trabalhadores da Educação (CNTE), nós, do magistério municipal, estamos lutando desde 2017 para garantir o pagamento do piso salarial dos professores e tentando manter um diálogo com a Prefeitura Municipal de Aracaju (PMA) e não obtivemos êxito. Com essa Reforma da Previdência vai ser pior, pois seremos ainda mais afetados. Na verdade, já estamos sendo afetados”, afirmou.

A professora aposentada Joelma Dias, alegou que as mulheres serão ainda mais afetadas com a Reforma devido ao aumento de tempo de contribuição. “Estamos aderindo à greve nacional para mostrar nossa insatisfação com esses cortes de verbas. Quanto a Reforma da Previdência, não trará nenhum benefício, especialmente para as trabalhadoras que vamos ter que trabalhar, pelos menos, 10 a mais para se aposentar”, pontuou.

A Secretaria de Educação de Aracaju (Semed) informa que o piso do magistério é pago em Aracaju e que nenhum professor da rede municipal de ensino recebe menos que o piso salarial, e que todos os direitos dos professores estão sendo respeitados. Segundo a Semed, os professores pedem que haja a correção do piso em cima de toda a tabela da carreira do magistério, e isso ainda não é possível por falta de recursos por parte do município de Aracaju. A Semed informa ainda que há cerca de 15 dias os professores foram recebidos pelo secretário de planejamento e pela secretária de educação para discutir essas pautas.

por Camila Sousa

Comentários