Alunos de judô do ECCOS recebem kimonos

0

Meninos e meninas que praticam judô no Espaço de Cultura e Convivência Social (ECCOS) do conjunto João Alves, em Nossa Senhora do Socorro, estão sorrindo à toa. Eles receberam, da Secretaria de Estado da Inclusão, Assistência e do Desenvolvimento Social (Seides), o kimono para treinamento e competições.

Foram 55 kimonos, distribuídos entre garotos e garotas de 5 a 26 anos de idade. “É a realização de um sonho para eles e para a comunidade, pois este é um esporte que normalmente eles não teriam muito acesso e hoje já temos meninos graduados e prontos para competição”, disse Jorgeanne Araújo, diretora do ECCOS João Alves.

Sarita Montielle, de 15 anos, foi graduada no ECCOS. “Vim aprender judô porque tenho alguns amigos que praticam e disseram que era um esporte legal. Agora eu sei que é”, disse a faixa azul. “Eu queria fazer algo legal e encontrei o judô aqui no ECCOS. Espero competir muito e ganhar muitas medalhas”, disse o agora faixa azul, Rodrigo Góis, de 17 anos.

“Nós sempre viabilizamos tudo para que nossos projetos tenham qualidade. Não é uma coisa de faz de conta. Não dá pra treinar sem roupa adequada, ainda mais que estes meninos já estão prontos para competição, fazendo parte do jogo pra valer”, disse a secretária de Inclusão Social, Ana Lucia Menezes.

Para o professor Neidson Mangueira, conhecido como Batatinha, este trabalho, que já completa um ano, é a realização de um sonho pessoal. “Na minha adolescência, quando eu participava de competições nacionais, não entendia porque diziam que o judô era um esporte de elite. Agora, tive a possibilidade de introduzir a prática social do judô no seio de uma comunidade pobre como a do João Alves”, disse Batatinha.

Segundo ele, a transformação na vida dos garotos é visível. “Antes, eles entravam no do-jo (tatame) de qualquer jeito, sujos, com unhas grandes e sujas. Como a gente está em contato direto com o do-jo, inclusive tocando o rosto, se não tiver higiene, pode-se ter algum problema de saúde. Agora, eles se preocupam mais com a higiene e a saúde deles, não só nas aulas, mas no dia-a-dia”, explicou.

Participação

Batatinha explicou ainda que, com a chegada dos kimonos, a evolução dos garotos será ainda melhor. “Em um ano de trabalho, temos alunos que foram graduados aqui mesmo, passaram da faixa branca para a cinza e depois para a azul. Isso mostra o nível técnico e de colaboração com o próximo destes alunos. O mais graduado sempre ajuda o menos graduado durante a aula”, disse.

Quanto a competições, o professor, que é faixa preta 3º dan, tem uma visão particular. “Na competição, não importa se vai ganhar ou vencer, mas sem a demagogia de que o importante é competir. O importante é vivenciar a competição. O resto é conseqüência: a alegria de competir, de ver o colega disputar, de voltar no outro dia e discutir erros e acertos, desde os atletas ao professor”, explicou.

Os garotos do ECCOS João Alves vão participar do Projeto Verão, da Prefeitura de Aracaju, além dos campeonatos da Liga Sergipana de Judô. “Mas sempre objetivando não a performance, mas a vivência da competição”, reforça.

Até o carnaval, a garotada fará treinamento de verão, como uma colônia de férias. “Depois do carnaval, retomaremos os ensinamentos e o treinamento forte para prepará-los para as disputas e para a vida”, explicou.

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais