Brasil Olímpico: Rebeca Andrade e Isaquias Queiroz recebem troféus

0
Prêmio Brasil Olímpico 2021 foi realizado em Aracaju (Foto: Jonne Roriz/COB)

A premiação mais importante do esporte brasileiro foi histórica como o ano de 2021. A cerimônia de gala do Prêmio Brasil Olímpico 2021, organizada nesta terça-feira, dia 7, pelo Comitê Olímpico do Brasil (COB), reuniu e homenageou atletas e medalhistas que ajudaram o Time Brasil a quebrar todos os recordes nos Jogos Olímpicos Tóquio 2020. Dois deles foram os grandes vencedores da festa organizada em Aracaju: Rebeca Andrade (ginástica artística) e Isaquias Queiroz (canoagem velocidade) foram eleitos os Melhores Atletas do Ano.

“É uma honra receber esse troféu mais uma vez. Eu queria agradecer a todos do COB, à minha equipe, a todos de Lagoa Santa, à minha família e eu não podia deixar de agradecer ao Jesus Morlan. E ele ainda trouxe o Lauro de Souza que me ajudou na missão de ser campeão olímpico”, agradeceu Isaquias, que se tornou o maior vencedor do troféu Melhor Atleta do Ano. Ele ganhou o prêmio em 2015, 2016, 2018 e agora em 2021.

Rebeca Andrade não pôde comparecer à premiação e enviou um vídeo de agradecimento. “Primeiramente eu gostaria de agradecer a Deus pela oportunidade de receber esse prêmio. Esse momento é muito importante para mim, minha carreira é cheia de altos e baixos e esse ano consegui realizar todos os meus sonhos e objetivos. A rede de apoio do COB, da CBG e do Flamengo me ajudaram. O Chico, meu treinador, então nem se fala. Hoje eu sinto que esse prêmio não é só meu é de todos nós. Somos todos Atletas do Ano e tenho muito orgulho de vocês e das nossas histórias”, disse Rebeca.

Realizado desde 1999, e pela primeira vez no Nordeste, no Teatro Tobias Barreto, em Aracaju (SE), o Oscar do esporte brasileiro não aconteceu em 2020 devido a pandemia da COVID-19. O retorno do evento foi uma grande celebração à campanha histórica do Brasil em Tóquio, quando a delegação brasileira conquistou 21 medalhas, recorde em toda a participação brasileira, iniciada nos Jogos da Antuérpia 1920. Todos os medalhistas presentes à cerimônia subiram ao palco e foram ovacionados pelo público presente.

“Subo ao palco esta noite, na 22ª edição do Prêmio Brasil Olímpico, com uma emoção especial. Olhando para trás, para 2019, quando realizamos o PBO pela última vez, vejo o quanto conquistamos e quantos desafios vencemos juntos. Hoje estamos aqui para homenagear os feitos de nossos atletas e equipes. Para honrar a história esportiva de nosso país”, disse o presidente do COB, Paulo Wanderley Teixeira, em discurso durante a cerimônia. “Sempre foi uma marca por onde passei de buscar levar o esporte para o Brasil todo e ter o PBO no Nordeste pela primeira vez é extremamente simbólico. É a prova de que o Movimento Olímpico do Brasil é de todos os brasileiros, com todas as cores de nossa nação”, completou o presidente do COB.

Mas a cerimônia também reservou homenagens a atletas que estão no início de suas trajetórias e ídolos que marcaram gerações. Maria Eduarda Alexandre, da ginástica rítmica, e Igor de Queiroz, do wrestling, representaram a delegação que levou o Time Brasil a vencer a primeira edição dos Jogos Pan-Americanos Junior Cali, encerrados no último domingo, receberam uma placa comemorativa em nome de toda a delegação.

Os membros do Hall da Fama do COB, Magic Paula (basquete) e Sebastián Cuattrin (canoagem) e Adhemar Ferreira da Silva (atletismo), representado por sua filha Adyel Silva, e Tetsuo Okamoto (natação), representado por sua sobrinha Cristina Eizo, foram reverenciados no palco e participaram de uma cerimônia especial antes da festa começar.

Janeth Arcain foi ovacionada quando subiu ao palco para receber o Troféu Adhemar Ferreira da Silva. A ex-atleta prata em Atlanta 1996 e bronze em Sydney 2000 com a seleção feminina de basquete foi agraciada com a láurea destinada a personalidades do esporte que representem os valores que marcaram a vida e a carreira do saltador, como ética, espírito coletivo, eficiência técnica e física, respeito ao próximo e companheirismo.

“Fiquei muito emocionada quando o Presidente Paulo Wanderley me ligou. Receber o Troféu Adhemar Ferreira da Silva é também um momento de representatividade. Foram 21 anos dedicados à seleção brasileira, abri mão de muita coisa e isso vai muito de encontro com os valores que Adhemar tinha, como dedicação, excelência, ética. Muitos desses valores me foram passados pela minha mãe Rita e eu tento passar para as crianças que frequentam a minha instituição”, declarou Janeth.

A disputa pelo troféu Atleta da Torcida foi acirrada e contou com mais de 395 mil votos no site do PBO, a maior votação de toda as edições. Pela primeira vez o COB selecionou 20 atletas que brilharam neste ano olímpico e se destacaram em suas redes sociais. E com 42,51% dos votos o público escolheu Fernanda Garay (vôlei), dona de duas medalhas olímpicas, ouro em Londres 2012 e prata em Tóquio, para levar o prêmio deste ano.

“Foram quase 400 mil votos? Nossa! Nessa noite, além de representar o meu esporte eu fui eleita pelo voto popular como Atleta da Torcida. Meus adversários eram atletas muito feras. Muito obrigada a todos que votaram em mim. Encerro meu ano esportivo com a prata em Tóquio 2020 e com esse Troféu. Isso só demonstra que eu tracei o caminho de forma correta e com dedicação ”, disse a craque da seleção brasileira.

Aliado ao talento dos atletas, o recorde de medalhas do país em Tóquio 2020 foi atingido em grande parte pelo fundamental trabalho de seus treinadores. Seis técnicos campeões olímpicos no Japão foram escolhidos para receberem os troféus de Melhores Treinadores do Ano em reconhecimento à qualidade e excelência destes profissionais: André Jardine (futebol), nas modalidades coletivas; Fernando Possenti (maratonas aquáticas), Francisco Porath (ginástica artística), Javier Torres (vela), Lauro Souza (canoagem velocidade) e Mateus Alves (boxe).

Uma das surpresas da noite foi o anuncio das duas próximas sedes dos Jogos da Juventude: a cidade de Aracaju (SE) receberá o evento em 2022 e Ribeirão Preto (SP) em 2023. Com o avanço da pandemia e a disseminação de novas cepas, o COB cancelou a edição de 2021. A maior competição de base do país para jovens entre 15 a 17 anos, que ao longo de suas 15 edições ajudou a revelar grandes atletas e formar cidadãos, voltará a acontecer no ano que vem.

Dedicado a profissionais da educação que fizeram a diferença e perpetuaram os valores olímpicos no ano de 2021, a TIM e o COB, através do programa Transforma, ofereceram pela primeira vez o troféu TIM Transforma. Carlos Oliveira, diretor-adjunto da Escola Municipal Emma D’Avila de Camillis, e Marcio Viegas, diretor da Escola Municipal Edmundo Bittencourt, ambas no Rio de Janeiro foram agraciadas com o reconhecimento pelo importante trabalho.

Outra novidade dessa edição foi o Prêmio Inspire, fruto da parceria do COB e da Riachuelo. O público votou pelo site do evento e coroou a vice-campeã olímpica no skate street Rayssa Leal, a Fadinha, como a atleta com a mais bela e inspiradora trajetória da temporada.

Conheça os vencedores em cada modalidade do Prêmio Brasil Olímpico 2021:

Atletismo – Alison dos Santos

Badminton – Ygor Coelho

Basquete 3×3 – Fabrício Veríssimo

Basquete 5 x 5 – Clarissa dos Santos

Beisebol – Thyago Vieira

Boxe – Hebert Conceição

Canoagem Slalom – Ana Sátila

Canoagem Velocidade – Isaquias Queiroz

Ciclismo BMX Freestyle – Eduarda Bordignon

Ciclismo BMX Racing – Renato Rezende

Ciclismo Estrada – Vinícius Rangel

Ciclismo Mountain Bike – Henrique Avancini

Ciclismo Pista – Wellyda Rodrigues

Desportos na Neve – Michel Macedo

Desportos no Gelo – Nicole Silveira

Escalada Esportiva – Felipe Ho Foganholo

Esgrima – Nathalie Moellhausen

Futebol – Richarlison

Ginástica Artística – Rebeca Andrade

Ginástica de Trampolim – Camilla Gomes

Ginástica Rítmica – Duda Arakaki

Golfe – Alexandre Rocha

Handebol – Bruna de Paula

Hipismo Adestramento – João Victor Oliva

Hipismo CCE – Carlos Parro

Hipismo Saltos – Marlon Zanotelli

Hóquei sobre Grama e Indor – Vinicius Vaz

Judô – Mayra Aguiar

Karatê – Vinícius Figueira

Levantamento de Pesos – Jaqueline Ferreira

Maratona Aquática – Ana Marcela Cunha

Nado Artístico – Laura Miccuci e Luisa Borges

Natação – Bruno Fratus

Pentatlo Moderno – Danilo Fagundes

Polo Aquático – Ana Beatriz Mantellato

Remo – Lucas Verthein

Rugby – Isadora Cerullo

Saltos Ornamentais – Kawan Pereira

Skate – Rayssa Leal

Softbol – Mariana Pereira

Surf – Italo Ferreira

Taekwondo – Milena Titoneli

Tênis – Luisa Stefani e Laura Pigossi

Tênis de Mesa – Hugo Calderano

Tiro com Arco – Marcus D’Almeida

Tiro Esportivo – Felipe Wu

Triathlon – Vittoria Lopes

Vela – Martine Grael e Kahena Kunze

Vôlei – Fernanda Garay

Vôlei de Praia – Duda Lisboa

Wrestling – Laís Nunes

Sobre o COB

O Comitê Olímpico do Brasil (COB) é uma organização não governamental, filiada ao Comitê Olímpico Internacional (COI), que trabalha na gestão técnica, administrativa e política do esporte nacional. A missão do COB é desenvolver e representar com excelência o esporte de alto rendimento do Brasil, trabalhando na melhoria de resultados esportivos do Time Brasil, elevando a maturidade de gestão do COB e Confederações filiadas e fortalecendo a imagem do esporte olímpico brasileiro. É dever do COB ainda proteger e promover os valores olímpicos em território nacional.

Fonte: COB

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais