Foco, o que pode fazer a diferença na Olimpíada

0

José Rubens D’Elia * Ter foco. Manter o foco. Não sair do foco. Essas são as palavras de ordem dos atletas que estarão em Atenas. É também o grito de guerra de muitos técnicos. Podemos até dizer que ter foco é quase uma espécie de “mantra” dos atletas que sabem o quanto essa atitude pode fazer a diferença no resultado, na conquista de uma medalha, num lugar no pódio. Nessa reta final, onde as estratégias de treinamento, preparação e obtenção de índices já foram estabelecidas e seguem suas trajetórias gradativas, ter foco pode representar o “detalhe extra”, que fará aquela pequena diferença e premiará os vencedores. E por que o foco é tão importante e como ele pode ser desenvolvido? Não existe uma receita mágica e lógica, mas, com certeza, há vários indicadores e algumas atitudes que propiciam o seu desenvolvimento. Usando de vários ensinamentos, da experiência diária e de exemplos concretos, posso afirmar que o foco é resultado de uma evolução integral do atleta e do ser humano em geral. Se fôssemos enumerar alguns mandamentos do foco, a ordem poderia ser essa: 1- saber o que quer; 2- conhecer os seus talentos e habilidades; 3- direcionar a sua energia para potencializar o melhor uso de si mesmo; 4- ter disciplina para treinar o todo (parte física, técnica, tática e mental; 5- ter tempo para o lado pessoal, para a família e os amigos; 6- dedicar tempo adequado para o marketing pessoal; 7- alternar trabalho e descanso com equilíbrio; 8- cuidar do lado espiritual e renovar a fé em algo maior, em si mesmo e na vida. Antes que você possa considerar esses mandamentos utópicos, quero dar um exemplo de um atleta que pratica esse ritual. Robert Scheidt, heptacampeão mundial, campeão olímpico em Atlanta (96) e atleta da vela que se prepara para tentar mais uma medalha em Atenas, é um modelo de foco. Além de seus títulos falarem mais alto que tudo e serem dados concretos da sua performance invejável, é importante conhecer as atitudes que sedimentam seu foco. Após a conquista de seu sétimo título mundial, em maio na Turquia, a demanda de atividades de marketing cresceu sensivelmente. Robert atendeu o que foi possível e o que não prejudicaria seu treinamento, mesmo que o evento fosse importante e desse mais notoriedade a seu nome. Dentro dessa ótica, recusou participar da novela “Celebridade”, da TV Globo (que teve uma das maiores audiências da história da emissora), porque tal aparição o faria perder um dia de treino, que poderia fazer falta na Olimpíada. O que Robert tem claro e que compartilha com toda a sua equipe de assessores: “eu não quero ser reconhecido por ser famoso. E sim por ser um bom atleta, correto, ético e vencedor. Se eu mantiver o foco no treinamento e em tudo que preciso fazer, posso garantir um pódio olímpico. E com uma medalha, o retorno para todos os meus patrocinadores será muito maior”. Atitudes como essa fazem a diferença: resistir ao glamour da fama, adiar a participação numa festividade, equilibrar o assédio da mídia com elegância, negociar com patrocinadores no que participar e saber dizer não quando o sim pode significar um “desvio” do seu objetivo maior, do seu foco. Robert é, sem dúvida, um mestre em foco, em resultados, um verdadeiro campeão. Toda a sua trajetória o deixou apto a entrar em estado de performance. Quando ele pisa na minha clínica, sei que vamos trabalhar para o seu objetivo. Ficamos quatro horas em atividade física (corrida, natação, ciclismo, ioga e musculação) e em cada uma treinamos os ingredientes do foco: disciplina, determinação, motivação, autoconfiança, serenidade etc. Após o treino, banhados sob o efeito benéfico das endorfirnas, realinhamos os objetivos e fortalecemos as atitudes necessárias para manter o estado de alta performance e conquistar o resultado. Como ele ressaltou no meu livro ‘’Fábrica de Campeões – Preparação Física para Gente de Sucesso (editora Gente)”, “o esporte, além de tornar minha vida mais saudável e prazerosa, me trouxe disciplina, autoconhecimento, motivação para fixar objetivos e trabalhar para alcançá-los”. Robert sabe fazer isso muito bem. É sinônimo de foco olímpico e modelo de vida para muitos. Que tal pegar carona nesse exemplo e colocar um foco olímpico nos seus projetos de campeão da vida? * José Rubens D’Elia, 49 anos, é professor de Educação Física, consultor de empresas e preparador físico de grandes atletas (além de Robert, ele trabalha com Lars Grael, Christian Fittipaldi, Mário Haberfeld e outros) e de personalidades como Roberto Shinyashiki. Mais informações: www.jrdelia.com.br.

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais