Hugo Henrique fala da expectativa para 2009

0

Atacante está confiante quanto ao futuro com a camisa rubra (Fotos: Fabiana Costa/Colaboradora)
O craque pernambucano Hugo Henrique Castro da Silva, 31 anos, foi o presente de Natal da diretoria do Sergipe à torcida do Mais Querido para a temporada 2009. O atacante, que é casado e pai de dois filhos, foi entrevistado pelo Portal Infonet e falou sobre suas perspectivas para o próximo ano e dos bastidores da sua contratação.

Portal Infonet – Ao assinar contrato com o Sergipe, você declarou que tinha uma dívida de gratidão com o time. De onde surgiu essa dívida?

Hugo Henrique – Por tudo que o Sergipe me proporcionou. Apesar de eu ter começado no Santa [Cruz], mas foi daqui que eu saí pra Portugal, onde passei oito anos, consegui fazer alguma coisa da minha vida e esse ano eu recebi o convite pra voltar e fui feliz com os companheiros, podia ter sido melhor com o título, mas futebol é isso. Talvez não tenha sido a hora da gente, mas esperamos que 2009 seja o ano do Sergipe.

Infonet – As especulações sobre seu destino foram muitas e a expectativa da torcida rubra em torno do seu nome são muitas. Dá um peso a mais na responsabilidade, principalmente por ser o ano do centenário, não é?

HH – Dá muito. A verdade é que a responsabilidade aumenta, mas Hugo Henrique não vai ser titular absoluto, Hugo Henrique não vai vestir a camisa 100 e vai ser o jogador principal. Eu vou ter que trabalhar com meus colegas e tentar ganhar a vaga. Lógico que isso mexe com o ego da pessoa, mas o trabalho prossegue para que o afago continue. É um ano que todo mundo quer ficar na história e eu não sou diferente, quero fazer parte dessa história e continuar ajudando o Sergipe.

Torcida está feliz com retorno de HH
Infonet – A tietagem ocorre somente com o torcedor do Sergipe ou já houve casos semelhantes nos outros times?

HH – No Santa eu era prata da casa, não tive muitas oportunidades, mas não era ídolo, né? (risos) Já em Portugal, tive em um clube que até hoje a torcida pede minha volta, joguei seis meses em outro time português e fui considerado o atacante da década.

Infonet – Quantos gols na passagem por Portugal?

HH – Foram 98 em sete anos e meio. Minha meta era os 100, mas tive um problema com o treinador, acertei com o Vitória (BA) e voltei pro Brasil. Mas Deus é quem sabe e talvez um dia eu consiga voltar e alcançar esse objetivo.

Infonet – O nome de Maurício Simões influenciou na escolha pelo Sergipe em 2009?

HH – Todo mundo sabe que ele pediu minha contratação, a gente trabalhou pouco no CRB e quando acabou o Campeonato Sergipano ele me queria no Confiança para a série C. Na minha opinião ele é um dos grandes treinadores brasileiros. Mas também tinha o próprio Motinha que tinha o desejo que eu voltasse.

Infonet – E com o Luis Carlos Cruz, novo técnico do Confiança? Vocês têm uma boa relação, não é mesmo?

Ele já foi campeão sergipano em 1999 (Foto: Arquivo/Infonet)
HH – Isso. O Luis Carlos é meu amigo, até dei os parabéns por ele ter acertado com uma grande equipe que é o Confiança, isso a gente não pode esconder. Eles vêm fazendo um grande trabalho, estão profissionalizando bem os setores e acho que é o futebol sergipano que cresce.

Infonet – Os dois técnicos são seus amigos e os dois queriam você em suas equipes. Por que acabou escolhendo o vermelho e não o azul?

HH – Olha, eu sou profissional. Gosto muito do Sergipe, todo mundo sabe disso, mas se eu fosse pro Confiança eu seria do Confiança, não ia querer nem que tocassem no assunto do Sergipe. Eu cheguei a conversar com as pessoas do Confiança, fiz uma proposta, meu empresário disse que eu estava certo na proposta, mas não retornaram mais. Talvez acharam alta.

Infonet – Você manteve a mesma proposta à diretoria do Sergipe ou deu um desconto por ggostar muito do time?

HH – (risos) Olha, eu não falo de valores. Mas optei pelo Sergipe pela proposta que eles fizeram. No meu contrato tem alguns objetivos, que vou correr atrás. Foi uma decisão bem pensada junto à minha família e meu empresário.

Craque nasceu na cidade de Cabo de Santo Agostinho (PE)
Infonet – Você saiu do Sergipe no primeiro semestre deste ano e foi para o Treze da Paraíba. Hoje, você diz que está muito feliz por estar voltando. Se arrepende da troca?

HH – Me arrependo um pouco. Foi uma decisão precipitada, de uma hora pra outra, falaram de valores muito mais altos do que os que foram falados aqui, e você sabe, sou profissional, busco o melhor pra minha vida e vivo disso.

Infonet – Com o seu retorno ao futebol sergipano, como vai ficar a família? Vai trazer a esposa e o casal de filhos ou eles permanecem no Recife?

HH – Penso que venha todo mundo agora em janeiro, gosto muito de Aracaju, minha esposa também, ela até engravidou aqui. Meus filhos estão muito contentes de estarem vindo pra cá, e espero que tudo corra bem, que 2009 seja um ano muito bom não só pro Hugo Henrique, mas pro Sergipe. Espero que possamos voltar á hegemonia do futebol sergipano.

Por Glauco Vinícius e Aldaci de Souza

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais