Lançamento de selo abre comemorações dos 50 anos do Batistão

0
(fotos: Igor Matheus/ Portal Infonet)

O lançamento de um selo comemorativo abriu oficialmente a programação prevista pelo Governo de Sergipe para a celebração dos 50 anos do estádio Lourival Baptista, o Batistão. Realizada em parceria com os Correios, a solenidade foi realizada na noite da última terça-feira, 18, no Palácio-Museu Olímpio Campos.

De acordo com Mariana Dantas, superintendente de esportes da Secretaria de Estado da Educação, Esporte e Cultura, o lançamento do selo é o pontapé inicial de uma programação que deve se estender até julho de 2020. “Faremos uma campanha de arrecadação de acervo do Batistão para que possamos fazer uma exposição itinerante em museus, universidades e locais públicos. No dia 9 de julho, faremos uma missa em comemoração pelos 50 anos do estádio e realizaremos um jogo com crianças de nossas Escolas de Esporte. E à noite desse mesmo dia, faremos uma homenagem a cronistas esportivos e a jogadores que fizeram parte do primeiro jogo realizado no Batistão”.

Selo comemorativo

Ainda segundo Mariana, até julho de 2020 deverão ser realizados jogos comemorativos em alusão aos 50 anos do estádio, mas, ainda segundo a superintendente, nenhum deles ainda pode ser revelado. A superintendente também reforçou a importância do evento desta terça. “Essa missão não veio do governador ou do último secretário, mas do povo sergipano. Comemorar os 50 anos do Batistão é um pleito de pessoas que me mandavam e-mails e mensagens perguntando quando isso seria feito. O lançamento desse selo comemorativo é uma forma de eternizar esse momento. Daqui a cinquenta anos os colecionadores lembrarão dessa data”.

Antônio Oliveira, último à direita: autor de um dos gols da seleção sergipana em cima da seleção brasileira em 1969

Oliveira
O Batistão foi inaugurado em 9 de julho de 1969 com uma partida amistosa entre a Seleção Brasileira – de Pelé, Jairzinho, Gerson e cia. – e a seleção sergipana, com vitória da seleção canarinho por 8 a 2. Entre os presentes na solenidade desta terça-feira estava um dos personagens da partida histórica: o ex-centroavante Antônio Oliveira, um dos oito sergipanos da partida ainda vivos e autor de um dos gols da seleção local. Aos 76 anos, Oliveira relembra com carinho daquela que foi sua última partida como jogador.

“É gratificante relembrar esse tempo bom, uma época em que éramos jovens e tínhamos disposição para jogar futebol. Joguei de tudo, e aquela foi a minha última partida como jogador. Depois dali, eu disse ‘está na hora de começar a viver minha vida’, e fui ser professor de educação física. Mas mesmo depois de 50 anos ainda sinto a emoção de ter jogado naquele gramado contra aquele time”.

Por Igor Matheus

Comentários