Mundial de Xadrez: Brasil conquista duas medalhas inéditas em Aracaju

0
Kathie Librelato, primeira à esquerda, conquistou prata no feminino individual (fotos: Igor Matheus/ Portal Infonet)

O Brasil conquistou duas medalhas inéditas no Mundial de Xadrez Universitário realizado no Real Praia Hotel em Aracaju. A brasileira Kathie Librelato conquistou medalha de prata no feminino individual e a delegação brasileira faturou o bronze por equipes. Esta foi a primeira vez na história do xadrez universitário que o país figurou no pódio do mundial.

Na categoria individual masculino, o campeão foi o tcheco Tadeas Kriebel, seguido pelo polonês Grzegorz Nasuta e pelo chinês Shanglei Lu. O brasileiro melhor colocado foi Vitor Firmo, 22º colocado. Na categoria feminino, a campeã foi a chinesa Shiqun Ni, e a terceira colocada foi a peruana Deysi Cori – com a brasileira Júlia Alboredo na quarta colocação. Já no pódio por equipes, o primeiro lugar ficou com a China, e o segundo lugar foi da Polônia.

Atual campeã brasileira universitária, campeã sul-americana sub-20 e vice no sul-americano, Kathie Librelato vibrou com seu inédito vice-campeonato mundial e exaltou a conquista. “Estou muito feliz com esse resultado em um torneio de representatividade tão forte. E feliz de colocar o Brasil em terceiro lugar no pódio por equipes”. Enxadrista desde 2012, Kathie destacou que cada partida exigia uma estratégia.

Brasil foi bronze por equipes (fotos: Igor Matheus/ Portal Infonet)

“Normalmente a preparação é individual, pois cada adversária tem um estilo diferente. Procurei dar o meu melhor e o resultado veio como consequência”. Kathie destacou ainda sua partida contra a peruana Deysi Cori, atual campeã mundial. “A última partida foi a mais decisiva, pois eu estava diante da número um do Peru e dona do título mundial, e eu tinha de vencê-la pra superá-la no pódio. Consegui e estou feliz de ter vencido”.

Campeão masculino, o tcheco Tadeas Kriebel destacou a medalha de ouro no mundial como sua maior conquista. “É uma grande honra. Por outro lado foi um torneio muito difícil e estou muito feliz pela vitória”. Kriebel ressaltou ainda que sua partida mais difícil foi a última – na vitória contra o polonês Daniel Sadzikowski, que acabou na 11ª posição – e frisou que cada oponente exige uma preparação. “Procuro me basear no que o adversário gosta de fazer, e a partir daí escolho entre uma estratégia mais lenta ou uma mais agressiva”, disse. O próximo Mundial Universitário de Xadrez será realizado na Polônia em 2020.

Por Igor Matheus

Comentários