Candidatos investem em jingles de campanha

0

Genilson Kennedy exibe os CDs confeccionados para esta campanha
A exemplo do que aconteceu na eleição anterior,  em Sergipe os candidatos estão investindo na contratação de jingles [músicas] que em poucos refrões ajudem a convencer os eleitores de que são os melhores. Para encomendar um desses jingles não se gasta menos do que R$ 1 mil e 500. Dinheiro extra para os compositores e cantores.

É o caso do cantor, compositor e radialista Genilson Kennedy, que vem conseguindo melhorar de vida com esse serviço extra. “Na outra campanha eu reformei toda a minha casa com o dinheiro que ganhei para compor 18 jingles. Nessa campanha, já fiz oito e graças a Deus, consegui trocar a minha moto shineray por uma motocicleta melhor, uma Jhony”, comemora.

Até agora já foram feitos oito jingles para os candidatos
Ele explicou precisar de poucos dados dos candidatos para compor as músicas geralmente utilizadas em carros de som, nos comícios e nas propagandas de rádio e da TV. “Eu preciso apenas de duas frases que representem a história dos candidatos para criar os jingles. Tem que ser uma música que transmita a cara do candidato com uma linguagem simples e direta”, destaca.

Genilson Kennedy disse ainda que o jingle é a maneira mais rápida que se tem para ajudar o candidato a conquistar a vitória. “A música é responsável direta para tornar o candidato conhecido, de maneira leve e sutil”, enfatiza acrescentando que a inspiração vem em primeiro lugar de Deus e depois da experiência adquirida como marcador de quadrilha e forrozeiro.

Carros de som divulgam os jingles e os candidatos pelas ruas de Aracaju
“Eu nem sabia que tinha esse dom. Mas em 2008, um amigo me encomendou um jingle, eu fiz e deu certo, emplacou. Não parei mais. Este ano já fiz para oito candidatos e já tenho várias encomendas. Mesmo sendo cantor eu não boto a minha voz na música. Tem mais três músicos que trabalham comigo no estúdio para confeccionar o CD que fica pronto em cerca de uma hora e meia. A média de preços é de R$ 1 mil reais e 500”, conta o radialista.

Ritmos

Basta passar alguns minutos pelo Centro Comercial de Aracaju para perceber que o ritmo escolhido pelos candidatos para os jingles é o forró. “Agora vote certo, não dê bobeira não…”.

Esse é apenas um dos vários refrões que em ritmo bem nordestino chega aos ouvidos das pessoas nos bairros da cidade e principalmente no Centro, por conta da grande quantidade de pessoas circulando e muitas vezes acabam entrando no ritmo que lembra Luiz Gonzaga, Dominguinhos, entre outros forrozeiros.

Ao final do trabalho, os candidatos sempre gostam do arranjo, da letra, enfim, os jingles acabam caindo no gosto de todos e gerando emprego e renda durante o período da campanha eleitoral.

Mercado promissor

Nesse período, apesar de poucas pessoas realizarem esse tipo de trabalho em Sergipe, o mercado dá sinal de crescimento, uma maneira divertida de ganhar dinheiro com o período eleitoral. O ex-vereador de Aracaju, Pedrinho Andrade, é uma dessas pessoas que confeccionam essas músicas para os candidatos.

Por Aldaci de Souza

Comentários