Carlos Melo esclarece sobre falta de água e tarifa social na Alese

0
Em sua exposição, Melo esclareceu alguns questionamentos que foram levantados pelos deputados (Foto: Júnior Ventura/Rede Alese)

O presidente da Companhia de Abastecimento de Sergipe (Deso), Carlos Fernandes de Melo Neto, participou de uma audiência remota realizada pela Casa Legislativa na manhã desta terça-feira, 27.  Em sua exposição, Melo esclareceu alguns questionamentos que foram levantados pelos deputados, entre eles,  destaques para  constantes interrupções do abastecimento em alguns municípios sergipanos, e ainda, sobre a dificuldade de acesso da população ao cadastro da  tarifa social do Estado.

Alto Sertão

A ida do presidente da Deso  foi motivada por meio de Requerimento Parlamentar onde, segundo foi colocado pelos deputados, moradores de diversos municípios relataram constantes falta de água em suas cidades e povoados. Além disso, relataram que a água vem chegando nas torneiras  sem condições para o consumo humano, devido a cor e ao cheiro.

O presidente da Deso explicou que as constantes falta de água em alguns municípios diz respeito a falta de conclusão das obras na adutora do  alto sertão sergipano. Segundo expôs o presidente, o custo operacional  da obra da adutora corresponde a pouco mais de R$ 74 milhões, sendo que desse montante, apenas R$59 milhões já foram pagos. Faltando executar ainda cerca de R$  15 milhões em obras para concluir. Ressalta que tão logo os recursos do Governo Federal cheguem ao Governo do Estado, obras serão conclusas, contemplando todos os povoados e cidades do sertão de Sergipe com o abastecimento de água.

” Já estive nessa obra várias vezes com o ex- ministro do  desenvolvimento regional, Gustavo Canuto, e com o  o governador Belivaldo. Há 6 anos essa obra era elogiadíssima a nível nacional, pela velocidade e alcance de cobertura dos municípios, mas estamos agora sem recursos, faltam 15 milhões. Ela está bem avançada, e peço ajuda desta  Casa que tem acesso em Brasília, para agilizar esse recurso financeiro para a  conclusão, onde muitos municípios e povoados serão contemplados, Será uma conclusão definitiva para essa falta de água”, declarou.

Quanto a questão da cor e da qualidade da água de alguns municípios do estado, o presidente explica que devido às fortes chuvas, muito material foi levado  para dentro dos rios, com isso, ocorrendo a alteração da cor e a turbidez da água bruta na captação. Também explicou  que em algumas situações a falta de água se dá, e se deu, de forma isolada e pontual, por queda de energia na Estação de Tratamento de Água (ETA). “Quando vem a  enxurrada não tem ETA alguma que consiga manter a cor da água, mas logo que passa, se regulariza”, aponta.

Melo ressaltou que  a melhoria na qualidade da água, regularização e fornecimento em alguns municípios como Boquim,  Riachão dos Dantas se dará com a conclusão da obra da adutora do Piauitinga.  ” A adutora do Piauitinga, que abastece os municípios de Salgado, Lagarto, Simão Dias e Riachão do Dantas,   terá ampliação de 49 quilômetros, para abastecimento de 170 mil habitantes, quando na conclusão do projeto”, explicou  ele o  planejamento.

Adutora do Semiárido 

Outro fator apontado por Melo diante da falta de água em alguns municípios se deu com o rompimento de tubos da adutora do Semiárido. “Essa situação vem sempre ocorrendo, a operacionalidade da adutora era da antiga Semarh, hoje a DESO está à frente frente dessa gestão. O governador do estado quer solucionar de vez com esses rompimentos que são provocados pela pressão da água nos tubos atuais. Já fizemos a licitação, e agora em Julho os novos tubos já estarão chegando e aí a gente resolve  esse gargalo, que provoca falta de água naquela região do semiárido”, contou o presidente da Deso.

Tarifa Social

Os deputados questionaram ao  presidente da Deso sobre a obrigatoriedade de visitação domiciliar de assistente social, mesmo diante da pandemia, para que os  consumidores que se enquadrassem para a concessão do Programa de Tarifa Social  recebessem o  benefício. Melo ressaltou que a exigência da vista está expressa no regulamento do programa, a fim de  análise do requerimento proposto pelo consumidor, todavia,  garantiu mudanças.

“Estamos elaborando uma resolução da diretoria para apresentar ainda essa semana ao conselho, para modificar a exigência dessa visita pelo menos nesse momento de pandemia.  Além disto, hoje para ter acesso a tarifa social, pode-se fazer on-line, sem sair de casa”, informou Melo.

Presidente enfatizou ainda que não há uma gama de pedidos em aguardo. “Na semana passada o número de pedidos para a tarifa social chegou a menos de cem pessoas, os outros já estão dentro do programa.  Cerca de 10 mil famílias, aproximadamente 40 mil pessoas, são contempladas em Sergipe com a tarifa social”,  concluiu Melo.

Fonte: Rede Alese

Comentários