Comando da PM afasta coronel que investigou fraude

0
Coronel Marcony: PAD para apurar conduta (Foto: Arquivo Portal Infonet)

O Comando Geral da Polícia Militar instaurou procedimento administrativo disciplinar para investigar a conduta do coronel Bené Gravatá, responsável pelo Inquérito Policial Militar (IPM) que identificou uma suposta fraude no abastecimento de combustível nas viaturas da corporação. O IPM foi concluído, que culminou com o afastamento do sargento Robertson Souza Silva, do Centro de Suprimento e Manutenção (CSM), setor responsável pelo controle de abastecimento de combustível no âmbito da estrutura militar sergipana.

Concluída a investigação, o IPM foi encaminhado, pelo Comando Geral da Polícia Militar, à Justiça Militar e continua tramitando na 6ª Vara Criminal, aguardando manifestação do Ministério Público Militar. Mas o coronel Gravatá levanta suspeita de que o sargento não agiu sozinho. “Se apurar, encontra mais gente, o sargento não trabalhou só”, enfatiza, destacando que familiares do coronel Marcony Cabral, comandante geral da Polícia Militar, dominam os procedimentos para a liberação do combustível a partir dos postos credenciados. “Não há interesse em apurar. É cartão coringa, com valor ilimitado”, disse, fazendo referência aos procedimentos adotados pela PM para liberar o combustível para as viaturas da corporação.

O coronel Gravatá acredita que o Ministério Público dará sequência à investigação para desvendar todo o suposto esquema de fraude. “Agora vou enfrentar, estou dizendo a verdade”, diz o coronel. “Fiz isso para mostrar ao governador [Jackson Barreto] o que está acontecendo dentro da corporação. O governo cumpre o seu papel, mas tem a conta coringa com valores ilimitados”, enaltece.

Providências

Estas revelações não agradaram o Comando Geral da PM, que entendeu como ofensa pessoal ao comandante e a toda corporação. O coronel Marcony Cabral publicou nesta sexta-feira no Boletim Geral Ostensivo a determinação para instaurar o procedimento disciplinar com o objetivo de investigar a conduta do militar, afastando o coronel Gravatá das atividades que exercia na Central de Inquéritos Policiais Militares. Ele, a partir desta sexta-feira, está à disposição do coronel George André Almeida de Araújo, diretor-geral do Hospital da Polícia Militar, designado para presidir o Procedimento Administrativo Disciplinar (PAD) instaurado pelo Comando Geral da PM.

O coronel Paulo César Paiva, chefe da PM5 [setor responsável pela comunicação social da corporação], explica que a corporação adotou todas as providências necessárias nas investigações que identificaram indícios de fraude no abastecimento das viaturas da corporação. Inclusive, conforme frisou, realizando todas as diligências solicitadas pelo próprio coronel Gravatá à época.

O coronel Paiva garante que as investigações deste suposto esquema continuam, com a auditoria para identificar a dimensão e o montante do possível prejuízo causado pelo suposto esquema, e que o sargento apontado nas investigações foi afastado. O coronel Paiva alerta também que o IPM já foi encaminhado à Justiça Militar para a adoção das medidas judiciais cabíveis.

Segundo o coronel Paiva, o coronel Gravatá foi afastado anteriormente da Corregedoria Geral da PM por divergir com o chefe do Estado Maior, quanto a tramitação de documentos. Como consequência, o coronel Gravatá foi transferido para a Central de Inquérito, posto do qual foi afastado, nessa sexta-feira, 26, para responder ao procedimento administrativo disciplinar por ofensa ao comandante geral da PM e à corporação.

Por Cássia Santana

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais