Déda rebate críticas da oposição

0

Marcelo Déda critica “ausência de proposta e criação de factóides” (Foto: Portal Infonet)
As críticas feitas pelos deputados de oposição, principalmente Venâncio Fonseca (PP), quanto à criação de secretarias e de 109 cargos no projeto da Reforma Administrativa aprovado na manhã desta quarta-feira, 16, foram rebatidas pelo governador Marcelo Déda (PT) quando da participação em evento do Banese também nesta manhã.

Segundo o governador, a criação de secretarias é uma necessidade visando melhorar a cotação de recursos. Quanto ao pedido de Venâncio para que seja retirado o artigo 4º da Reforma Administrativa, determinando que “o Poder Executivo Estadual fica autorizado a dispor em decreto sobre a estrutura e competência e atribuições de órgãos e entidades da administração pública estadual”, o governador enfatizou que esse artigo sempre existiu.

“Eles se agarraram ao artigo 4º para fazerem contestações completamente inadequadas, pois esse dispositivo sempre existiu nos governos de Albano, de João, de Lula e agora de Dilma. O Estado precisa desse decreto para estabelecer a estruturação. E isso em qualquer governo. O que há na verdade é a completa ausência de proposta e criação de factóides por parte da oposição. Se estou querendo fazer mal à Assembleia, Venâncio fez primeiro do que eu, pois assinou dispositivos similares”, entende.

Marcelo Déda disse ainda que em 2009, quando a crise econômica aconteceu, não teve nenhuma dificuldade em extinguir quatro secretarias. “Quando precisou cortar, cortei sem olhar alianças políticas e agora estou criando dentro do planejamento da Execução Orçamentária”, destaca, lembrando que algumas secretarias estão sendo unificadas.

“Eu queria que o mais radical dos opositores tivesse a coragem de criar em quatro anos, a mesma quantidade de secretarias criadas em apenas um ano em governos anteriores”, desafia Marcelo Déda, pedindo à oposição e à imprensa que façam um comparativo. Ele garantiu que o orçamento está mantido e que não foram reduzidas as metas.

Por Aldaci de Souza

Comentários