Dia da Síndrome de Down é comemorado na CMA

0
O requerimento da sessão solene foi proposto pelo vereador Lucas Aribé (PSB) (Fotos: Portal Infonet)

Crianças, adolescentes e adultos estiveram participando da sessão especial na Câmara de Vereadores de Aracaju em comemoração ao Dia Internacional da Síndrome de Down, celebrado nesta sexta-feira, 21. O requerimento para a sessão solene foi proposto pelo vereador Lucas Aribé (PSB).

A Síndrome é uma ocorrência genética que acontece por motivos desconhecidos, na gestação, durante a divisão das células do embrião. A data escolhida para a comemoração foi proposta pela Associação Internacional da Síndrome de Down, e faz referência à trissomia no cromossomo 21 (alteração genética que gera um cromossomo extra no DNA do indivíduo).

Segundo o vereador Lucas Aribé (PSB), esse encontro serve para dar voz a essas pessoas que ainda lutam por oportunidades. “Solicitamos essa sessão não só pela importância do dia, mas também pela necessidade de nós reforçarmos o clamor desse segmento por mais oportunidades, espaços e educação inclusiva. Serve como reforço e trazermos elas aqui para que elas mostrem as autoridades aqui quais são suas necessidades e reivindicações”.

Felipe de Carvalho é portador da Síndrome e DJ

Presente na sessão solene, o estudante Felipe Monte de Carvalho, 25 anos, era só felicidade. “Eu sou Dj e faço festas também. Isso aqui é muito bom porque as pessoas podem nos ver e podemos dizer o que pensamos”, conta.

Oportunidades

Atualmente a Associação Sergipana dos Cidadãos com Síndrome de Down (Cidown) possui 600 pessoas cadastradas, sendo pouco mais de 100 pessoas que são portadoras da Síndrome de Down. A presidente da Cidown, Sheila Souza, comenta sobre a importância da data.

“Todo ano a gente está aqui e Lucas Aribé já é um parceiro nosso. A gente está com plenária repleta de Down nas cadeiras e quem garante que daqui mais alguns anos, um deles não vão estar ao lado de Lucas ou outro vereador?. Digo isso, porque eles são capazes e tem competência para isso, só faltam oportunidades”.

Sheila Souza diz que o preconceito ainda existe 

Ainda segundo Sheila Souza, o preconceito ainda existe. “As portas estão se abrindo devagar, mas o preconceito ainda existe, mesmo que camuflado. Um exemplo que sempre digo é que muitas escolas dizem que não estão no período de matricula, mas você vê que outras pessoas foram na mesma escola e conseguiram se matricular. Hoje todas as escolas regulares devem receber as pessoas com deficiência”, afirma.

Como parte das comemorações, a partir das 16h, haverá um ato intitulado "Abrace um Down, abrace nossa causa" que será realizado no calçadão da 13 de Julho.

Por Aisla Vasconcelos

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais