João Alves: ‘Rogério Carvalho foi o carrasco da PMA’

0
João Alves: "Rogério foi o carrasco da PMA" (Foto: Cássia Santana/Portal Infonet)

O prefeito João Alves Filho (DEM) nega entendimentos políticos com o PMDB com vistas as eleições de 2014. Ao Portal Infonet, o prefeito garantiu que as conversas mantidas com o governador em exercício Jackson Barreto não passam de entendimentos administrativos com o objetivo de executar políticas públicas em benefício da população de Aracaju.

O prefeito garantiu ainda que há negociações positivas entre a prefeitura e o governo do Estado para o pagamento do débito referentes aos repasses de verbas oriundas do Ministério da Saúde, que se acumulam ao patamar de R$ 25 milhões. Mas lamentou a interferência de políticos para impedir o acesso da Prefeitura de Aracaju ao Ministério da Saúde.

João preferiu não revelar nomes, mas fez questão de rebater as críticas que tem recebido do deputado federal Rogério Carvalho (PT), ex-secretário de saúde no âmbito da prefeitura de Aracaju e também do Governo do Estado. “Rogério Carvalho foi o verdadeiro carrasco da Prefeitura de Aracaju”, resumiu. “Não sei como ele tem a audácia de falar de saúde pública”, complementou.

Rogério rebate: "João é o coronel urbano" (Foto: Arquivo Portal Infonet)

O prefeito responsabiliza o ex-secretário pela morte de gestantes em Sergipe, alegando que Carvalho deixou a maternidade e o hospital infantil durante alguns anos sem funcionamento. João Alves disse que ele próprio fez a inauguração das duas unidades de saúde quando governou Sergipe no último mandato e que, embora inaugurados, os hospitais ficaram sem funcionamento por um tempo considerável já na gestão do primeiro mandato do governador Marcelo Déda. “Uma pessoa que é médico e gerou condições para mulheres grávidas morrerem porque não tinha maternidade… Um médico que faz isso… Meu Deus do céu, nem quero ouvir a opinião dele”, considerou.

Coronel Urbano

O deputado Rogério Carvalho reagiu ao adjetivo que ganhou, apelidando o prefeito de coronel urbano. “Ele é um homem de chapéu de couro que vive na cidade, um coronel urbano”, resumiu. Rogério Carvalho observa que, quando governador, João Alves inaugurou os hospitais inacabados e que há processos judiciais para ele justificar o desvio de milhões de reais da construção da maternidade. “Ele inaugurou os hospitais sem pessoal, sem instalação elétrica, sem equipamento e precisa dar conta dos recursos que foram desviados pela secretaria da saúde e pela Organização Mundial da Saúde”, cutucou.

Rogério Carvalho explica que passou um ano realizando obras para refazer as obras inacabadas deixadas por João Alves nas duas unidades de saúde e que todos os procedimentos que adotou foram acompanhados por órgãos de controle interno e externo. “Ele tem que trabalhar para explicar por que o transporte piorou, por que a saúde piorou, por que os serviços da prefeitura pioraram com a chegada dele”.

Por Cássia Santana

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais